Halloween | Entrevista com Dan Caliban, Tomas Gravina e Guilherme Najar da Morpho FX

Para mostrar um pouco as entranhezas da produção do terror nacional, a jornalista, atriz e stripper Larissa Maxine bateu um papo com Dan CalibanTomas Gravina (que está se casando hoje) e Guilherme Najar, da Morpho FX, antiga Mapinguari.

Embora nosso folclore seja rico em criaturas, não devendo nada para o bestiário de um Dungeons & Dragons, o Brasil nunca teve tradição na literatura fantástica, salvo, é claro, o ultrarromantismo de Álvares de Azevedo, com seu Noite na Taverna; o amado e odiado “mago” Paulo Coelho e nomes atuais como André Vianco, com sua ótima epopeia de vampiros; o encantador de dragões, Raphael Draccon, entre outros.

O antigo time da extinta Dragão Brasil (Marcelo Cassaro, J.M. Trevisan, Rogério Saladino, Marcelo Del Debbio, André Valle, Alex Sunders, Evandro Gregório…) também merece destaque, e nomes como Carlos Patati (autor do Almanaque dos Quadrinhos e de vários títulos) e o espetacular L.E.O. (Luiz Eduardo de Oliveira), da trilogia AldebaranBetelgeuse e Antares, figuram no panteão dos autores fantásticos.

Adaptação em quadrinhos do romance noite na taverna, de álvares de azevedo.

Mas é na sétima arte que a coisa muda de figura. Com exceção do nosso estimado José Mojica Marins, o  Zé do Caixão, e suas produções que remetiam aos exploitations setentistas, sempre tivemos dificuldade em emplacar o gênero no país – seja por dificuldades técnicas ou falta de aceitação do público, já que os fãs do gênero não encontravam eco em seu gosto nas produções nacionais.

Pôster do filme à meia noite levarei sua alma, de zé do caixão.

Mas, desde que o bug do milênio se confirmou um terror irreal, a década de 2000 nos brindou com Amor Só de Mãe, de Dennison RamalhoFábulas Negras, de Rodrigo Aragão e o recente O Rastro, de J.C. Feyer. As produções são boas, o terror é real (e não apenas o “terrir,” subgênero comum ao nosso temperamento tropical, embora boas piadas sejam colocadas na hora certa) e nós provamos que nem só de sorrisos vive a Ilha de Vera Cruz.

Pôster de As Fábulas Negras, de Rodrigo Aragão.

Mas, como nem tudo são flores (e toda roseira tem espinhos), a produção de efeitos especiais costuma ser algo caro, e os materiais escassos. Mestres da gambiarra que somos, conseguimos dar nó em pingo d´água… ou sangue. Confira a entrevista com a Morpho FX!

Confira mais sobre o Halloween:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Claudio Siqueira
Claudio Siqueira

Escritor, poeta, Bacharel em Jornalismo e habitante da Zona Quase-Sul. Escreve ao som de bits e póings, drinkando e smokando entre os parágrafos. Pesquisador de etimologia e religião comparada, se alfabetizou com HQs. Considera os personagens de quadrinhos, games e animações como os panteões atuais; ou ao menos, arquétipos repaginados.

Artigos: 103
Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Halloween | Entrevista com Dan Caliban, Tomas Gravina e Guilherme Najar da Morpho FX […]