Crítica | Guerra Civil: o filme sobre jornalismo de guerra

'Guerra Civil', protagonizado por Kirsten Dunst e Wagner Moura, nos desafia a assistir um filme de guerra, mas sem falar sobre ela.

O filme “Guerra Civil“, apesar de apresentar este nome, não se trata necessariamente sobre um filme de guerra. Este é um filme onde o resultado final dos acontecimentos da guerra tem pouca (ou até mesmo nenhuma) relevância para o desenvolvimento da história que será contada. A partir dessa perspectiva, o filme irá abordar a trajetória de quatro jornalistas em busca da última peça do quebra cabeça que falta para a história da guerra civil dos Estados Unidos: uma declaração do presidente, que está prestes a cair.

“Guerra Civil” é dirigido por Alex Garland e se trata de uma mistura de ação e suspense. O grupo de jornalistas protagonistas do filme, retratados por Lee (Kirsten Dunst), seu colega de trabalho Joel (Wagner Moura), o jornalista já idoso Sammy (Stephen Henderson), e a novata Jessie (Cailee Spaeny), viajam pelo país enquanto registram a dimensão do cenário violento no qual se encontra os Estados Unidos.

O filme não se preocupa em abordar uma perspectiva sobre a atual política americana, não responde sobre o porquê da guerra ter começado e nem do como as coisas escalonaram a tal nível.

Na verdade, as poucas informações que são disponibilizadas a respeito da guerra, são as de que o Presidente do governo americano decidiu ter um terceiro mandato (uma decisão antidemocrática), e a partir desse momento, grupos se uniram e se revoltaram. Um destes grupos é formado pelo Texas e Califórnia, que representam uma união improvável, já que são estados com posicionamentos políticos contrários dentro da realidade americana de hoje. A partir deste cenário, Washington, D.C. começa a lutar contra esses grupos.

Jornalismo de Guerra

Dentre os quatro jornalistas, que conduzem a narrativa do filme, a estrela principal é a fotojornalista veterana, Lee. A Kirsten Dunst está espetacular no papel e consegue transmitir de forma perfeita a jornalista de guerra que está cansada de retratar cenas aterrorizantes. Ao mesmo tempo, ela consegue manter a frieza e tenta, com muito esforço, manter um distanciamento diante do que presencia, ela representa de forma singela e firme, a desumanização que acontece com o jornalista diante da guerra.

Porém, em contrapartida a essa imagem de profissional brilhante e emocionalmente distante, é possível vislumbrar durante breves momentos, a sensibilidade e tristeza que existem dentro da personagem e que ela tenta a todo custo sufocar em nome da profissão.

Outro destaque de “Guerra Civil” é o Joel (Wagner Moura), que representa aquele jornalista que vive pela adrenalina e que apenas consegue se manter satisfeito diante do cenário de completo caos. Ele sorri diante de tiroteios e consegue manter afastado de si os seus julgamentos, enquanto conversa livremente e de forma divertida com sujeitos que acabaram de assassinar e executar o lado oposto.

O personagem do Joel, demonstra uma outra faceta da desumanização do jornalista, que é o de manter o sorriso e se divertir, enquanto está prestes a cobrir e presenciar, uma das cenas mais devastadoras da história (cotidiana) da humanidade.

Neste filme, são retratados diversos tipos de cenários e figuras que são passiveis de serem encontradas em uma guerra: o personagem que está se aproveitando da situação para colocar em prática o seu sadismo, sem nenhum tipo de ideal ou luta por trás; o que está atirando apenas por atirar, sem saber ao menos quem é o inimigo; o sujeito xenofóbico que decide quem vive e quem morre, demonstrando que a vida americana tem mais valor do que as outras, e por aí vai.

Fotografia e trilha sonora

Guerra Civil Otageek

A fotografia é um dos maiores acertos de “Guerra Civil”. Ela consegue demonstrar perfeitamente o porquê de quatro pessoas decidirem ir numa “missão suicida”. Vai muito além de apenas tentar conseguir o furo jornalístico, ou até mesmo sentir o desejo de presenciar a história sendo feita. A verdade suja desse filme, é mostrar que há beleza em meio ao caos, a guerra e a destruição.

Enquanto assiste ao mundo pegar fogo, você consegue dar mais atenção as faíscas que soltam um lindo tom alaranjado no caminho, e quase não nota a destruição que está sendo realizada por trás deste cenário. Você ignora em determinado momento, que as faíscas laranjas, ou as luzem que brilham no céu, são nada mais, nada menos, que o mundo sendo completamente destruído pelas chamas de um incêndio na floresta e pelos tiros que atravessam o céu.

A trilha sonora de “Guerra Civil” também vale a pena ser exaltada, os momentos de completo silêncio dentro da sala de cinema, conseguem causar o impacto desejado. É como se todos que estão assistindo, estivessem tão vidrados pelo o que estão vendo, quanto os personagens. Além disso, a escolha pelas músicas alegres e animadas em contraste com as cenas de guerra que estão sendo mostradas, casam perfeitamente com a mensagem que o filme deseja passar.

Alerta Spoiler

Sobre o que o filme não acerta? Ao tentar deixar o roteiro “amarrado”, o filme caí dentro de um clichê, apesar disso não ser o suficiente para impactar negativamente o filme. Na cena em que a Jessie pergunta para a Lee se ela a fotografaria recebendo um tiro, o filme já deixa muito claro o que o roteiro estava se propondo a fazer. Responder a pergunta a partir da perspectiva contrária demonstrando que, na verdade a Lee estaria disposta a receber um tiro pela Jessie, ao mesmo tempo em que a Jessie estaria disposta a fotografar a Lee recebendo esse tiro, deixou o filme muito mais previsível.

Considerações

O filme consegue emocionar e apesar de não ser do jeito que muitos esperavam, carrega consigo uma mensagem política muito forte. A ética de qualquer ser humano diante de um cenário extremo, pode ir para lados inimagináveis, quando se está vivendo a partir da adrenalina.

E apesar de presenciar cenas aterrorizantes, ainda conseguimos ver beleza em meio ao caos. Cada fotografia tirada pela Jessie e pela Lee, mostravam imagens de morte e de crueldade, e ainda assim, enquanto assiste ao filme, você se pega pensando e admirando o quanto ficou linda aquela imagem.

O diretor do filme, Alex Garland, se colocou diante de um grande risco ao decidir contar essa história sem tentar explicar para o espectador letra por letra qual era a mensagem que ele queria passar. Diante de uma sociedade que apresenta uma imensa dificuldade de interpretar a arte, deixar subentendido ou até mesmo se propor a não querer explicar, pelo simples fato do não querer, é um ato de extrema coragem. E podemos dizer que valeu a pena correr esse risco. O filme é um espetáculo.

Continue Lendo:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Beatriz Cintra
Beatriz Cintra

Olá galera! Meu nome é Beatriz, sou estudante de jornalismo e completamente apaixonada por livros. Uma twitteira assídua que chora por Harry Potter até hoje.

Artigos: 73
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários