Como Serial Experiments Lain profetizou a vida digital do século 21

Serial Experiments Lain é um anime de 1998, que caminha entre o cyberpunk e o terror psicológico, roteirizado pelo visionário (e polêmico) Chiaki J. Konaka.

O anime tem como protagonista Lain Iwakura, uma adolescente japonesa atípica que é introduzida à Wired, uma rede de comunicação global similar à internet que conhecemos atualmente. Não tanto em termos tecnológicos, mas conceitualmente, a Wired antecedeu muito da cibercultura com a qual lidamos enquanto navegamos por aqui.

Layer 01: Escapismo

cena do suicídio de Chisa Yomoda - otageek

No início da história, alunos do colégio onde Lain estuda recebem um e-mail de Chisa Yomoda, uma estudante que dias antes tirou a própria vida.

“Eu apenas abandonei o meu corpo. Assim, posso te explicar que ainda estou viva. Ao enviar este e-mail, posso mostrar-lhe o caminho. Consegue entender? Tudo bem se você não conseguir agora. Vocês entenderão logo. Todos vão.”

Em 1998, seria difícil alguém entender as entrelinhas de Serial Experiments Lain, mas atualmente, a ideia de substituição da vida real pela vida virtual, mesmo que não literalmente, de fato é comum. Se já não passamos por isso quando ficamos fissurados em algum jogo, alguma série ou algum fórum, pelo menos já vimos isso acontecer ao redor.

A grande mídia já estampou casos graves de adolescentes com vício patológico em jogos, que chegaram a negligenciar a própria saúde em prol de seus personagens virtuais. Muitas vezes o nível de estresse e superinformação com os quais lidamos no mundo contemporâneo nos empurra para o mundo virtual, onde podemos escolher ficar a sós e em paz por um tempo.

Serial Experiments Lain - otageek

Parece que há um boato de que o e-mail é pegadinha de alguém da escola. Mas não é o caso. Quero que você entenda isso. Deus está aqui.”

Layer 02: “Todos estão conectados”

Lain: Todos estão conectados - otageek
Todos estão conectados.

Nos tempos de nossa internet discada, lá para os anos 90, os poucos conectados estavam limitados pela tecnologia da época e a influência digital no mundo real era, até então, também limitada. Atualmente, exceções à parte, estamos todos conectados direta ou indiretamente. A vida urbana regular, sem o intermédio da internet ou celular, é dificilmente imaginável.

Tais dispositivos viraram uma expansão externa (por enquanto) de nosso neocortex. Eles ampliaram nossa capacidade de comunicação e de transferência de informação ao tornarem a distância irrelevante, modificaram a linguagem e aumentaram artificialmente a nossa memória e cognição com o advento de aplicativos diversos, tais quais agendas, redes sociais, tradutores, calculadoras, enciclopédias… tudo isso literalmente na palma de nossas mãos.

Cena de Serial Experiments Lain - otageek
A Wired não pode ser permitida a interferir no mundo real!

A influência do mundo virtual no mundo real é tamanha que até mesmo os processos mais humanos, como uma eleição presidencial, foram também brutalmente afetados, vide escândalos como o Cambridge Analytica nos EUA e o disparo massivo de notícias falsas e financiamento de propaganda política negativa no Brasil. Então, mesmo que você corte todos os cabos e jogue fora todas as telas de sua casa, não tem como fugir: querendo ou não, você também está conectado.

Layer 03: Realidade Digital

Cena de Serial Experiments Lain - otageek
Eu já te vi antes. Na Wired.

O jogo Second Life foi criado um ano depois da estreia de Serial Experiments Lain. Foi um dos primeiros virais da internet mundial, pois permitia que você criasse um avatar num mundo completamente virtual, onde as pessoas interagiam umas com as outras numa simulação.

Com o advento das redes sociais, a barreira entre a “realidade analógica” e a “realidade virtual” ficou ainda mais fina, pois agora, a princípio, as pessoas lidariam não com um avatar online controlado por alguém, mas diretamente com a própria pessoa.

Cena de Serial Experiments Lain - otageek
O mundo real e a Wired está começando a desmoronar…

Porém, atualmente, vemos que não é bem assim. O anonimato, ou simplesmente a distância, fez com que até os mais introvertidos pudessem expressar o seu verdadeiro Eu, ou parte de sua personalidade reprimida pelas regulações implícitas das relações sociais. Testemunhamos o surgimento de novas tribos, em fóruns e grupos, de pessoas que antes não teriam chances de se conhecer e se identificar umas com as outras.

Cena de Serial Experiments Lain - otageek
No mundo real, ele é apenas um homem velho esperando a morte na enfermaria de um hospital privado.

Não há malefícios ou benefícios imediatos, tudo depende do uso dado. Movimentos como o Occupy Wall Street – protestos contra a desigualdade, a ganância, a corrupção e a influência do setor financeiro no governo dos EUA – só foram possíveis pelo advento desse mundo virtual, assim como as criptomoedas, que protegeram o capital de muitos em países que sofreram de crises hiperinflacionárias. Por outro lado, vimos surgir grupos de ódio e planejamentos de atentados, quando essa emancipação virtual foi usada como ferramenta de terrorismo.

Cena de Serial Experiments Lain - otageek
Se as pessoas puderem se conectar umas com as outras, até mesmo a voz mais baixa será ouvida.

Layer 04: Culto à Personalidade

Aparição de Lain no céu - otageek
Let’s all love Lain \o/

Com o crescimento exponencial de redes sociais como Facebook e Instagram, além de plataformas de vídeo como Youtube e Twitch, a grande velha mídia, que antes centralizava o poder de ditar as grandes tendências, sucumbiu. E mesmo que essas novas mídias tentem, com seus algoritmos, redirecionar ou enviesar a informação que chega a nós, esse poder agora é mais descentralizado e imprevisível.

Lain na Wired - otageek
Eu ajudei a Lain. Isso me fará um herói entre os usuários locais.

Mesmo que no mundo analógico Lain seja apenas uma menina introvertida e com certos sintomas de fobia social, no mundo digital sua personalidade é outra, não construída somente por ela, mas pela percepção de outros, ao ponto dela não mais se reconhecer.

E mesmo que ela se desconecte, assim como você, sua persona ainda estará online e vulnerável a stalkers e aplicativos coletores de informação. Lain é um retrato dolorosamente fiel da vida online moderna: sua presença digital é uma perversão cruel e ousada de seu verdadeiro Eu, alimentado por uma mitologia criada por terceiros ao redor de uma menina chamada Lain Iwakura.

Lain a cabo - otageek
Eu sou uma máquina?

O que traz instabilidade emocional para influenciadores digitais bem-sucedidos? O que faz um dos youtubers mais famosos do Brasil trapacear num jogo de xadrez online ao ponto de ser banido? Por que trocamos nossa privacidade por likes? Antes de levantarmos essas perguntas, Serial Experiments Lain já havia dado respostas lá em 98.

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Luna | A Patroa da Redação
Luna | A Patroa da Redação

Já pensou em começar a valorizar o Jornalismo Cultural Independente hoje?

Artigos: 1336
Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Como Serial Experiments Lain profetizou a vida digital do século 21 […]