Resenha | “Já que você perguntou”: o que é sucesso para você?

"Dez anos atrás não consegui responder aquela pergunta. Não estava pronto. Agora, estou."

A imaginação é um terreno fértil no que diz respeito às capacidades mentais humanas, pois permite a concepção de universos, cenários e acontecimentos através do talento promissor de reproduzir vividamente essas concepções. “Já que você perguntou” é uma dessas histórias, onde um acontecimento proporcionou a uma mente criativa a concepção de uma história fictícia capaz de despertar emoções em que a lê. 

Refiro-me à entrevista que o responsável por dar vida ao papel de Capitão América nos cinemas, Chris Evans, deu a revista norte-americana QG em 2011. O resultado – graças ao trabalho da jornalista Edith Zimmerman – foi um perfil divertido e íntimo do galã da Marvel, que na época filmava o primeiro volume dos “Vingadores” (2012). A entrevista começou em um pub de Santa Mônica, nos Estados Unidos, foi regada a muito álcool e terminou com Edith “totalmente bêbada e saindo de fininho da casa dele às cinco e meio da manhã”, segundo ela mesma. Assim, não demorou muito para que diferentes teorias circulassem na mídia, principalmente a de que ambos teriam tido um envolvimento íntimo. 

Doze anos depois, e com muitas teorias concebidas pela arte da imaginação, o episódio serviu de inspiração para o livro da norte-americana Elissa Sussman, bacharela pela Sarah Lawrence College e mestre pela Pacific University, e autora de outras obras. “Já que você perguntou” segue a história da jornalista Chani Horowitz e do astro de cinema Gabe Parker que, há dez anos, tiveram suas carreiras transformadas após a publicação de um perfil a respeito do novo papel de Parker como James Bond, escrito por Chani. Enquanto Chani se tornou uma jornalista famosa, Gabe viveu um período de ascensão e queda em Hollywood. Desde que a história foi publicada, a imprensa e o restante do mundo formulou teorias a respeito do envolvimento entre ambos. Eles teriam se apaixonado? Dez anos se passaram e, agora, Chani é convocada, mais uma vez, para se encontrar com Gabe e escrever a respeito de seu novo papel nas telonas, numa tentativa de repetir o feito de sucesso do passado. Contudo, ela ainda pensa naquele fatídico final de semana no qual ambos viveram há dez anos. Mas e quanto a Gabe? 

“Já que você perguntou” é a estreia de Elissa Sussman na ficção adulta

Enquanto graduanda de jornalismo e amante da Sétima Arte, histórias que unem meus dois universos favoritos comumente são alvo da minha atenção. Ainda que a temática não seja original, recorro a um antigo consentimento perante o que é produzido na indústria cinematográfica e que aplica a literatura: não há história que não tenha sido contada e, por isso, o que a torna excitante é a maneira pela qual é contada. Histórias entre figuras anônimas e famosas, por sua vez, não se destacam pela inovação. Em 1999, “Um Lugar Chamado Notting Hill” estreava nas telelonas, narrando a história entre um livreiro e uma famosa atriz estadunidense, caracterizando uma estética e uma fase de produções de comédias românticas em Hollywood, a gloriosa era das rom-coms nos anos 2000.

Contudo, apesar da temática e da inevitável narrativa romântica, o que há de relevante em “Já que você perguntou” é o caminho pelo qual a autora optou para narrar a história de Chani e Gabe  e, principalmente, as questões propiciadas por ele. Contado por meio de flashbacks, a narrativa se divide entre passado e presente, narrando o fatídico encontro entre os personagens há dez anos e o que está prestes a ocorrer no presente. Além disso, a história se desdobra por meio de uma prosa que adentra nos pensamentos de Chani, um blog mantido pela jornalista, e artigos escritos por fãs e outros envolvidos no meio cinematográfico. Sem contar, é claro, fragmentos do notário perfil escrito por ela.

Chani Horowitz é uma jornalista insatisfeita na profissão. Enquanto observa grande parte dos seus colegas de faculdade trilhando certos caminhos que ela vê com afeição, tudo o que mais deseja é ser publicada por uma editora. Gabe Parker, por outro lado, é visto como um dentre muitos rostos bonitos em Hollywood. E apenas isso. Prestes a estrelar o papel de uma das figuras mais emblemáticas do cinema hollywoodiano, a de James Bond, Gabe foi negativamente recebido pela opinião pública. Em um portal, foram listadas “cinco razões para Gabe Parker ser o pior Bond de todos os tempos”. Por isso, a ideia de um perfil relativo ao astro de Hollywood parece ser a oportunidade ideal para reverter a opinião pública a seu respeito.

Tanto Chani quanto Gabe, apesar de exercerem ofícios distintos, vivem dilemas em suas vidas. Chani, por exemplo, se sente infeliz profissionalmente e nutre um relacionamento com um escritor que constantemente minimiza seus feitos. Apesar de seu desejo de uma vida além daquela que leva, a jornalista frequentemente se vê refém da opinião alheia, principalmente no que diz respeito ao seu namorado. Além disso, ela mesma encontra-se em uma posição confortável, ainda que anseie por mais. Gabe, por sua vez, embora seja um galã de Hollywood, evidencia o quão ardilosa a indústria pode ser perante seus astros. Um erro é  suficiente para que sua reputação seja modificada, e astros, reféns da opinião pública, comumente enfrentam dilemas morais a respeito de si mesmos. Enquanto lia os comentários negativos sobre a escolha do astro para o novo papel de Bond, me recordei de Sofia Coppola no terceiro volume do filme do seu pai, “O Poderoso Chefão”. Na época, a atriz tinha 18 anos e foi altamente massacrada por sua performance pela crítica especializada. Qual peso aquele episódio teria exercido sobre sua vida?

Em certo momento, Gabe diz a Chani que não deseja que as pessoas o adorem, mas que o amem. A jornalista pergunta qual a diferença entre ambos, e ele: “você pode adorar alguém que não conhece, mas não pode amar essa pessoa”, numa possível referência à artificialidade da fama. Nos termos de Gabe, ao ser fã de alguém, você adora essa pessoa, mas não a ama. Por isso, seu próprio pensamento reflete seu desejo de ter alguém que o conheça além de sua carreira, evidenciando que tal fato nunca lhe ocorreu. “É esquisito, não é? Quando alguém acha que te conhece”, diz ele a jornalista, numa conversa a respeito da vida pública de artistas e o quanto os outros pensam que realmente os conhecem. 

“É engraçado quando o mundo pensa que te conhece. Ou quando você pensa que aquilo que o mundo sabe é o que você realmente é.”

Nesse sentido, Sussman avança abordando novos questionamentos. A respeito da vida pessoal de Gabe, por exemplo, é de conhecimento público sua relação com a mãe e a irmã. A livraria, um presente de Gabe para ambas, é constantemente mencionada pelos tabloides. No que diz respeito ao seu pai, criou-se um consenso de que ambos não mantinham uma boa relação, uma vez que Gabe nunca o citou nas entrevistas. Outro senso da opinião pública diz respeito a Gabe e outro astro de Hollywood, Oliver Matthias, que apesar dos constantes boatos, é um dos melhores amigos de Parker. No entanto, na mídia, ambos são frequentemente retratados como rivais.

“Meu pai… a memória dele…. é algo meu. Entendo que parte do meu trabalho é me dividir com o público. Dividir histórias e intimidades da minha vida. Mas não posso fazer isso com o meu pai. Sei que é ridículo. Sei que me recusar a falar sobre ele o transformou em uma fonte de interesse. Mas algumas coisas não são para os meus fãs.”

Dez anos depois, Chani acabou de se divorciar e é uma escritora de sucesso. Gabe, por outro lado, passou por um divórcio e uma reabilitação por alcoolismo, e tenta reascender a carreira em Hollywood. Quando ambos se encontram novamente, o envolvimento do passado retorna para debate entre eles, assim como as questões deixadas pelo passado. “O que é sucesso para você”, perguntou Chani a ele dez anos atrás. “Sucesso é ter sido James Bond e, então, não se-lo mais”, responde Gabe em uma parte de seu monólogo a respeito do sucesso. 

Enquanto o maior desejo da vida de Chani é ser reconhecida por seus livros – “esse, eu acho, seria o verdadeiro Dia Perfeito”, diz ela ao recriar uma cena na qual entra em uma livraria e a reconhecem – o de Gabe é ter uma relação autêntica, longe dos holofotes de Hollywood. Por meio de ambos, Sussman aborda questões relacionadas à toxicidade de Hollywood, à autenticidade nas relações humanas e às escolhas de vida, e em como elas nos impactam, principalmente no que tange a autossabotagem. Chani, acomodada em sua posição e refém de um relacionamento, ansiava pelo sucesso, mas sem imaginar que ele poderia ocorrer. Gabe, por outro lado, devido a seu histórico retratado pela mídia, nunca se sentiu merecedor de interpretar James Bond nos cinemas. “Quem é que sente que merece de verdade as coisas boas que consegue?”, diz ele. 

Assim, na construção de um relacionamento entre duas pessoas, Sussman nos permite refletir a respeito do “sonho hollywoodiano” infiltrado e idealizado no imaginário popular; nos faz pensar na relação entre fã-ídolo e em como, muitas vezes, esta é tóxica. Também nos faz lembrar da coragem que um dia tivemos e que se perdeu no caminho; ou das pressões impostas socialmente e a forma pela qual escolhemos lidar com elas. Talvez seja uma história da autora a respeito de si mesma, afinal, “escrever é algo íntimo, desesperador e um pouco embaraçoso”, como lembrado por ela. 

FICHA TÉCNICA

Título: Já que você perguntou

Autor(a): Elissa Sussman 

Editora: Astral Cultural

Páginas: 400

Onde comprar: Amazon

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Isabella Breve
Isabella Breve

Graduanda em Jornalismo, leitora voraz, amante da Sétima Arte e eternamente fã.

Artigos: 366
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários