Tarantino diz que nunca fará filmes de super-heróis e levanta mais uma vez o debate: Marvel é cinema ou não?

Diretor Quentin Tarantino

Em entrevista recente ao jornal Los Angeles Times, Quentin Tarantino fez críticas aos filmes de super-heróis. O debate foi levantado a partir da divulgação de seu novo livro, ‘Cinema Speculation’. 

No livro, o autor chega a comentar que os diretores de Hollywood mal esperam para que essa ‘fase’ de super-heróis passe. Ele elabora uma comparação com os anos 1960, quando os cineastas hollywoodianos comemoraram quando o público deixou os musicais de lado. 

“Você precisa ser uma mão de obra contratada para fazer essas coisas. Não sou mão de obra. Não estou procurando por um emprego.”

O cineasta não é o primeiro grande de Hollywood a expressar tal opinião. Em 2019, Martin Scorsese disse que os filmes da Marvel “não são cinema”. Francis Ford Coppola ainda estendeu o comentário do colega, chamando os filmes de ‘desprezíveis’. 

“Quando Martin diz que a Marvel não faz cinema, ele está certo porque nós esperamos aprender alguma coisa com o cinema, algum tipo de conhecimento, iluminação, inspiração. Então o Marty foi gentil quando disse que não é cinema, ele não disse que é desprezível. O que eu estou dizendo.”

Tarantino ainda completou: “Eu não vejo (os filmes). Eu tentei, sabe? Mas aquilo não é cinema. Honestamente, o mais próximo que consigo pensar deles, por mais bem feitos que sejam, com os atores fazendo o melhor que podem sob as circunstâncias, são os parques temáticos.” 

Pôster de divulgação de Vingadores: Ultimato. - Otageek
‘Vingadores: Ultimato’ se tornou a segunda maior bilheteria da história, ficando apenas atrás de ‘Avatar’

Em se tratando dos grandes de Hollywood relatando tais opiniões, fica em pauta questionar: afinal, filmes de super-heróis são cinema ou não?

À primeira vista, a questão pode parecer simples, é fato dizer que o debate é longo, cheio de percepções e discussões. Afinal, hoje, as produções do gênero ocupam as grandes salas de cinema, as maiores bilheterias e os lucros. Em se tratando de uma era onde o streaming impera, muitos apontam que o cinema está no seu fim. Afirmo aqui que tal comentário não é certeiro. O cinema não vai acabar. O que mudou é a forma pela qual as pessoas passaram a escolher o que vale a pena ser visto no cinema. As produções das grandes Marvel e DC acabam se encaixando na categoria. 

É fato lembrar que Scorsese encarou um grande desafio para produzir ‘O Irlândes’. O diretor precisou se afastar do convencional – o cinema – e migrar para o streaming. Nenhum estúdio quis bancar o orçamento de 150 milhões de dólares. A Netflix lançou o longa em 2019, com mais de 3 horas de duração. 

Scorsese, Tarantino e Coppola são gênios do cinema. Quando os gênios falam, a gente escuta. Mas até mesmo eles, apaixonados pelo que fazem, detentores da sétima arte, não estão isentos de erros. E é por meio desses comentários que se faz necessário discutir o modo pelo qual tem sido feito cinema atualmente. 

É inegável não reconhecer o papel que a Marvel detém em Hollywood. Dizer que ela também não faz cinema é absurdo. Mas é fato dizer que a empresa tem fixado sua fórmula para as produções dos filmes e séries. Neste ano, a empresa conseguiu produzir seus piores longas. Por via da mesma fórmula e a condensa generalidade e traços de personalidade com diferentes filmes e diretores. 

Para Scorsese, o problema é simples. A Marvel trata o cinema como investimento, e não experiência: “Não é o cinema dos seres humanos tentando passar experiências emocionais e psicológicas de outros seres humanos.”

Para Martin e Coppola, considerados A Hollywood, há ressentimento em seus comentários, talvez pela grande ocupação midiática e cinematográfica que os filmes de super-heróis têm tido, além dos problemas que ambos têm encontrado para financiar seus filmes. Entretanto, é inegável não reconhecer as grandes emoções, explosões, lágrimas e risadas que tais filmes proporcionam. 

O pensamento dos três é elitista e carregado de convencionalidades da Hollywood. A Marvel não só faz cinema, como constrói grandes jornadas nos seus heróis, levando a questões pessoais, relacionais e altruístas. Ela prova que até mesmo histórias como essas carregam densidade temática, emocional e evolucional. 

Por fim, dizer que a Marvel não faz cinema é um equívoco. Não dá pra negar o papel que a empresa carrega, chegando a ocupar lugar de grandes bilheterias. Entretanto, não é impedimento para que as discussões e problemáticas sejam colocadas em pauta. A Marvel conduz sua fórmula, às vezes erra, mas também acerta. Entretenimento não é só os grandes chefões de Hollywood, como ‘Cidadão Kane’ e ‘O Poderoso Chefão’, mas toda e qualquer demonstração de arte. 

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Isabella Breve
Isabella Breve

Futura jornalista, leitora voraz, amante da Sétima Arte e eternamente fã.

Artigos: 349
Se inscrever
Notificar de
guest
5 Comentários
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Tarantino diz que nunca fará filmes de super-heróis e levanta mais uma vez o debate: Marvel é cin… […]

[…] Tarantino diz que nunca fará filmes de super-heróis e levanta mais uma vez o debate: Marvel é cin… […]

[…] Tarantino diz que nunca fará filmes de super-heróis e levanta mais uma vez o debate: Marvel é cin… […]

[…] Tarantino diz que nunca fará filmes de super-heróis e levanta mais uma vez o debate: Marvel é cin… […]

[…] Tarantino diz que nunca fará filmes de super-heróis e levanta mais uma vez o debate: Marvel é cin… […]