Crítica | ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’ realmente é para sempre

A decisão de Coogle levar para a trama a perda de Boseman e expressar seu luto e de seus amigos de produção através do filme provavelmente foi um grande desafio.

Quatro anos após o primeiro filme, chega aos cinemas agora “Pantera Negra: Wakanda Para Sempre”, que continua e expande o universo de Wakanda ao mesmo tempo em que homenageia Chadwick Boseman!

Crítica | 'Pantera Negra: Wakanda Para Sempre' realmente é para sempre - Otageek

“Pantera Negra: Wakanda Para Sempre” é um filme que tem muito a se falar, locais para onde apontar e sabe utilizar bem de sua duração de 2 horas e 40 minutos. Aqui, Ryan Coogler, que retorna direção, respeita a figura de Boseman e nos entrega uma história sobre amadurecimento, ancestralidade e representação para o povo negro.

O filme começa após a morte do rei T’Challa, quando os membros da família real de Wakanda tentam, ao mesmo tempo, permanecer no poder, proteger a integridade territorial do reino, mas também enfrentar um novo inimigo.

Namor (Tenoch Huerta), é um poderoso ser que lidera o povo de Talokan, que, como Wakanda, tem à sua disposição o vibranium, que os demais países são obcecados em obter. Exceto que Namor não compartilha das mesmas opiniões dos wakandanos em relação a proteção do metal precioso do resto do mundo, levando as relações dos dois reinos a uma ruptura iminente e violenta.

Um filme com uma mensagem forte

A decisão de Coogle de levar para a trama a perda de Boseman e expressar seu luto e de seus amigos de produção através do filme provavelmente foi um grande desafio. Já no começo do filme somos ambientados pelo tom da perda e o luto, que por transcender o filme nos coloca em uma posição de sentir e processar aquela dor com os atores e personagens.

Crítica | 'Pantera Negra: Wakanda Para Sempre' realmente é para sempre - Otageek

Mas logo após os minutos iniciais somos lembrados que estamos em um fruto do MCU e essa grande teia precisa se conectar a medida que agrega mais histórias e personagens ao universo compartilhado. Não que a forma que as conexões são feitas possam ser ruins, pelo contrário, a adição de Namor e seu povo consegue respeitar o protagonismo dos wakandanos e soma ao trazer um olhar que reimagina Atlântida como um reino mesoamericano.

Mesmo que a narrativa capengue em alguns momentos, a forma que ela imprime o despertar dos traumas historicamente causados pelo colonialismo branco, junto da necessidade de uma aliança entre os oprimidos contra o colonialismo moderno, consegue trazer à superfície um discurso que geralmente passa longe das narrativas de heróis.

Crítica | 'Pantera Negra: Wakanda Para Sempre' realmente é para sempre - Otageek

A grande protagonista da trama é a Shuri, que ao mesmo tempo que tem que lidar com o seu luto, se vê em posição de levar adiante o manto de Pantera Negra para proteger seu povo. Não poderia deixar de citar a Rainha Ramonda que consegue ser imponente e rouba a cena sempre que aparece. Okoye, Nakia e Riri Williams cumprem com seus papeis na trama, mas sem grande destaque.

A vingança é o fio condutor de Shuri e a move rumo ao conflito, e por mais que ela aceite ser a nova Pantera Negra, T’Challa ainda vive no povo de Wakanda e sua cultura.

Conclusão

Como público estamos muito maus acostumados com o que a Marvel entrega nos cinemas. Seus filmes geralmente não se permitem abrir espaço para tramas e dramas adultos, e suas resoluções são sempre semelhantes.

Crítica | 'Pantera Negra: Wakanda Para Sempre' realmente é para sempre - Otageek

Então, ter um novo antagonista tão grande quanto Thanos foi para os filmes anteriores traz um potencial gigantesco para o futuro do MCU. Já do lado de Wakanda, conhecemos um pouco mais da nação mais poderosa da Terra e nos permitimos refletir sobre os papéis ocupados pelos personagens, principalmente pelas mulheres. Se por algum lado alguns comentários são pontuais, outros passam tão rápido que é possível não perceber.

Longe de ser um filme perfeito, com alguns momentos e subplots que poderiam ser facilmente deixados de lado, na mesma facilidade que eles emergem na trama, “Pantera Negra: Wakanda Para Sempre” ainda é um dos melhores filmes da Marvel nos últimos anos e mais que necessário para aqueles que amam acompanhar esse universo.

Leia Mais:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Riuler Luciano
Riuler Luciano

Jornalista Cultural, Analista de Inbound Marketing e Branding, cresceu lendo quadrinhos dos X-MEN é amante de Cultura Pop e Pequi!

Artigos: 380
Se inscrever
Notificar de
guest
4 Comentários
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Crítica | ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’ realmente é para sempre […]

[…] Crítica | ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’ realmente é para sempre […]

[…] Crítica | ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’ realmente é para sempre […]

[…] Crítica | ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’ realmente é para sempre […]