Crítica | The Flash – Corra pra ver!

Agora a DC acertou o passo! E foi no passo do Flash.

Vez por outra a DC lança mais uma de suas bombas do DCEU (DC Extended Universe) e algum internauta “fala” (já que está escrito) numa das redes sociais: “Agora a DC acertou o passo!”, e é mais um fracasso de bilheteria, mais uma decepção para os DCnautas, mais pano pra manga pra discussões homéricas que terminam em “desamigamentos”, “blocks” viscerais e quiçá agressões não verbais. 

E foi sem nenhuma expectativa que fui assistir ao filme do Flash pra ter uma decepção: não vou poder falar mal do melhor filme do DCEU já lançado até agora. Muitos vão falar mal da minha crítica positiva como falaram mal das minhas críticas negativas sobre a Liga da Justiça de Zack Snyder ou da série Lúcifer, mas sejamos sinceros: The Flash é o melhor filme do DCEU que já foi lançado.

Leia também:

O bom humor e as piadas presentes no MCU (Marvel Cinematic Universe) desde Homem de Ferro (2008) com Robert Downey Jr. dando vida a Tony Stark finalmente estão bem colocadas com Ezra Miller, que mostra o quão bom é como ator, graças a direção de Andy Muschietti (Mama, It, It: Capítulo Dois, Batman: Bravos e Destemidos), que deu liberdade à expressão de Ezra. 

A ideia de estar sempre atrasado, tanto no papel de Barry Allen quanto no de Flash cai como uma luva para um personagem rápido e suas cenas em slow motion para mostrar sua supervelocidade de seu próprio ponto de vista são boas, nunca superando, é claro, a mesma do personagem Mercúrio, ao som de Sweet Dreams do Eurythmics em X-Men: Apocalipse (2016), a única coisa que presta no filme dos mutantes.

A relação de Barry com o tão esperado Batman de Michael Keaton é ótima, assim como a relação de Tony Stark com Homem-Aranha no MCU. Batman já vem desempenhando o papel de mentor de Flash desde Batman vs Superman: A Origem da Justiça e o Batman pit bull de Frank Miller vivido por Ben Affleck também está presente, com uma participação – desnecessária – da Mulher-Maravilha

O Batman em fim de carreira de Keaton é trazido de volta à ativa (como Indiana Jones em seu novo filme) quando Barry volta no tempo para salvar sua mãe e acaba caindo no momento em que Zod chega à Terra no primeiro filme do DCEU, O Homem de Aço (2013). Não vou dizer se Barry consegue seu intento, mas ao menos salva aquele recorte histórico do universo compartilhado da DC do fraquíssimo filme do Superman. 

Leia também: 

Kara Zor-El aparece como em um episódio canônico do Super que já teve mais de uma releitura nas HQs mas nunca no cinema. O paradoxo de viagem temporal, comum em filmes do estilo como De Volta para o Futuro (que é inclusive citado no filme) é trabalhado e todo o fan service é bem servido, de forma inteligente e divertida, incluindo a aparição de um certo Batman ao fim do filme, que pontua muito bem o fim da trama com uma interrogação: será mesmo o fim?

Se você ainda não assistiu, corra para ver Flash no cinema a despeito do que dizem outros críticos. A DC finalmente acertou o passo! E quem diria que o personagem mais rápido do Universo DC chegaria atrasado para consertar o lapso temporal presente no DCEU.

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Claudio Siqueira
Claudio Siqueira

Escritor, poeta, Bacharel em Jornalismo e habitante da Zona Quase-Sul. Escreve ao som de bits e póings, drinkando e smokando entre os parágrafos. Pesquisador de etimologia e religião comparada, se alfabetizou com HQs. Considera os personagens de quadrinhos, games e animações como os panteões atuais; ou ao menos, arquétipos repaginados.

Artigos: 104
Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Crítica | The Flash – Corra pra ver! […]

[…] Crítica | The Flash – Corra pra ver! […]