Crítica | Com protagonismo de destaque, ‘Wandinha’ se ancora nos clichês adolescentes

Na semana de estreia, ‘Wandinha’ se torna a série mais assistida da Netflix e ultrapassa a audiência de Stranger Things
Pôster de "Wandinha". - Otageek
Foto: Netflix/Divulgação

A história dos Addams nasceu por meio das figurinhas assinadas no jornal pelo estadunidense Charles Addams, em 1938. Com seu espaço de brilhantismo conquistado, em 1964 a história ganhou uma série na televisão norte-americana. Em 1991, os Addams protagonizam o primeiro filme. Em 2019, a primeira animação da família é feita, conquistando o público infantil. Em 2022, a Netflix produz a série focada em apenas uma personagem da família: Wandinha Addams. 

Pôster de "A Familia Addams". - Otageek
Ilustração de Charles Addams

A família Addams sempre se orgulhou de não se encaixar nos parâmetros de família tradicional, principalmente no que diz respeito à construção cultural da família norte-americana, visto o contexto no qual os personagens foram criados. Por meio de um humor mórbido, os Addams conquistaram uma geração de fãs, seja na série de 1964 ou no filme de 1991. Agora, em 2022, o foco é mostrar a uma nova gama de adolescentes por outras perspectivas, a história da filha dos Addams. 

Em ‘Wandinha’, somos convidados a embarcar na jornada da protagonista. Recém chegada na escola Nevermore, um internato focado em jovens excluídos e diferentes (lobisomens, sereias, etc), Wandinha terá que lidar com questões relacionadas à adolescência, aos flertes, às amizades e ao bullying. Mistérios são postos à prova, visto que existe um monstro rondando os muros de Nevermore. 

Ancorada em clichês adolescentes, ‘Wandinha’ reproduz o que muitas séries e filmes já fizeram, como em ‘Harry Potter’, ‘O Mundo Sombrio de Sabrina’, ‘Riverdale’ e até mesmo em ‘Pretty Little Liars’

Apesar de trazer uma narrativa já existente e explorada milhares de vezes, o diferencial em ‘Wandinha’ é acompanhar a mórbida integrante dos Addams conquistando amizades e flertes. Em razão da bizarrice de Wandinha, fica explícito o diferencial da personagem em vivenciar emoções e momentos considerados normais na adolescência de qualquer indivíduo. Afinal, os Addams não são uma família qualquer, ancorada na normalidade dos padrões da sociedade. 

Seja na produção de 1964, na de 1991 ou na de 2019, cada qual busca se ancorar nos padrões da época e trazer uma nova legião de fãs. Na série da Netflix não é diferente. ‘Wandinha’ foi feita para apresentar a geração que não acompanhou o marco da criação dos Addams, para entender e enxergar a importância que a família carrega na cultura pop. 

Na série, os Addams não são o foco, apesar de estarem presentes em alguns episódios, como o que ocorre a visita dos pais na escola Nevermore, ambiente no qual Mortícia e Gomez Addams estudaram na juventude. Fica aqui uma menção honrosa a Luiz Guzmán, que conseguiu canalizar o espírito e personalidade de Gomez Addams. 

Pôster de "Wandinha". - Otageek
Gomez, Mortícia e Pugsley Addams. Foto: Netflix/Reprodução

É perceptível a diferença nos episódios dirigidos por Tim Burton e os comandados por James Marshall e Gandja Monteiro. Burton consegue caracterizar personalidade de Wandinha e também trazer uma nova visão ancorada na atualidade para a personagem. 

O diretor consegue fazer um tributo à Família Addams, enaltecer referências da cultura pop, como a cena do baile em ‘Carrie: A Estranha’, e realizar uma releitura do que foi criado em 1928, por Charles Addams. Sem deixar de lado o tom mórbido, sincero, e o deboche da protagonista, elementos conflitantes e desafiadores são postos em cena. Afinal, Wandinha está inserida em um ambiente escolar, onde sofrimentos, amizades e flertes ocorrem. 

Pôster de "Wandinha". - Otageek
Jenna Ortega como Wandinha. Foto: Netflix/Divulgação

A jovem atriz de 20 anos, Jenna Ortega, tem se mostrado uma das grandes descobertas da nova gama de atores. Só em 2022, protagonizou ‘Pânico 5’, além do brilhante ‘X – A Marca da Morte’. Dessa vez, a atriz vive Wandinha Addams. 

Fazer um papel renomado e icônico tem lá suas dificuldades, principalmente pelo legado deixado por Christina Ricci, a Wandinha de 1991. Graças à atuação de Jenna Ortega, a personagem que carrega o nome da série, a nova Wandinha, consegue conduzir uma nova gama de fãs, unindo todos aqueles que já se sentiram excluídos pela sua aparência e personalidade. Não surpreende afirmar que Ortega é o grande destaque da série, bem como das suas recentes atuações. É mesmo uma das grandes atrizes da nova geração. Assim como sua atriz de destaque, Wandinha é mesmo uma bela surpresa. 

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Isabella Breve
Isabella Breve

Futura jornalista, leitora voraz, amante da Sétima Arte e eternamente fã.

Artigos: 351
Se inscrever
Notificar de
guest
4 Comentários
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Crítica | Com protagonismo de destaque, ‘Wandinha’ se ancora nos clichês adolescentes […]

[…] Crítica | Com protagonismo de destaque, ‘Wandinha’ se ancora nos clichês adolescentes […]

[…] Crítica | Com protagonismo de destaque, ‘Wandinha’ se ancora nos clichês adolescentes […]

[…] Crítica | Com protagonismo de destaque, ‘Wandinha’ se ancora nos clichês adolescentes […]