Rebeca assume a composição em Espiral, seu novo álbum lançado pela Deck

Com produção musical da artista em parceria com o indicado ao Grammy Latino, Rodrigo Martins, o álbum chega às plataformas hoje, dia 05 de Abril

Por meio de um mergulho criativo de escrita diária, a niteroiense Rebeca começou a escrever, ainda na pandemia, as canções que integram agora Espiral, o seu segundo álbum solo, lançado no dia 05 pela Deck. “Antes eu tinha uma abordagem mais tímida, criava com base nas letras de outros compositores. Decidi então descobrir a minha identidade musical, sem me ‘esconder’ atrás de outras composições”, divide a cantora, que contou com a parceria da artista Manny Moura durante essa escrita. Gravado entre 2020 e 2024 em Niterói, Rio de Janeiro, São Paulo, Boston e Los Angeles, o disco tem produção musical assinada por Rebeca e Rodrigo Martins, indicado ao Grammy Latino por seu trabalho com o cantor Rubel.

“O conceito das músicas evoluiu muito durante a produção, refletindo minha busca para entender quem sou e explorando meus relacionamentos, não apenas amorosos. Abordei minhas reações diante de frustrações, reconhecendo-as e recalculando a rota. Falo sobre medo, desejo, vulnerabilidade, desistência e o espaço para o novo. É uma fase de transição entre os meus 24 e 28 anos, vivendo em três cidades: Niterói, São Paulo e Rio”, compartilha a artista que tem – só no Spotify – mais de 600mil ouvintes mensais e ficou conhecida por participar do The Voice em 2015, além das performances e canções pela banda Gragoatá e feats com Rubel, Julio Secchin, entre outros.

A sonoridade das faixas traz influências de artistas ouvidas por Rebeca durante a construção do trabalho, como Joni Mitchell, Phoebe Bridgers, Lana Del Rey, Bjork, Clairo, Adrianne Lenker (Big Thief) e Adriana Calcanhoto. De caráter confessional, as músicas trazem a voz como ponto central para expressar os sentimentos retratados nas composições. “Meus arranjos vocais são elementos fundamentais na identidade das minhas músicas. A voz, para mim, é mais do que a melodia principal, é meu instrumento principal de expressão por meio do qual exploro noções rítmicas e harmônicas”, conta Rebeca.

A respeito da produção musical, Rodrigo Martins conta que: “foi um interessante, porque foi longo e passou por vários momentos e lugares. Tem partes de músicas que foram gravadas em alguns dos melhores estúdios do mundo (Igloo, Burbank CA, onde se faz a trilha sonora de diversos filmes de Hollywood) e outras que foram gravadas com equipamentos de  baixo custo no meu quarto e no quarto da Rebeca. Durante a produção houve várias fases de relacionamentos, desde as partes felizes até os finais frustrantes. Eu acho que tudo isso faz parte da estética e da temática do disco. A ideia foi tentar amplificar o sentimento que as canções traziam, e transmitir isso para as pessoas que estão sentindo a mesma coisa”.

Rebeca Álbum
Capa por Pedro Hansen com fotografia de Luisa Cerino

Capa

O conceito da capa surgiu a partir do clipe da faixa “Cada Amor”, e busca transmitir a essência do disco, que trata de sentimentos envoltos em melancolia. “Pensei no azul escuro do céu para retratar esse sentimento. Por se tratar de um registro a respeito de transições, quis abordar o fim da noite, um ambiente escuro, caminhando para um ambiente com mais claridade. A flor queimando representa as dores sentidas no caminho, que de alguma forma, ao queimarem, iluminaram o meu caminho até aqui”, comenta Rebeca.

Faixa a Faixa

O álbum tem início com Foge de Casa (videoclipe aqui), escrita em 2020. “Compus essa canção quando estava com febre na minha cama durante o lockdown. Ela tem uma narrativa que reflete a vontade de viver outra realidade, mas o refrão vem como um balde de água fria jogado nas soluções fantasiosas que foram criadas. Na letra, tento levar uma pessoa comigo, então essa faixa é o início da frustração das relações que serão impossíveis de continuar”, divide.

Com Cada Amor,  se revela o segundo ato da história iniciada na música anterior. “Essa fala do desconforto de se relacionar de forma nebulosa, com falta de clareza nas intenções, nas palavras e nas ações, tornando difícil encontrar um lugar seguro para viver os seus sentimentos”, conta a artista.

O enredo continua com Cofre, que retrata a tentativa de seguir em frente após o fim de uma relação. “Existe toda uma melancolia atrelada ao término recente, mas também uma energia pulsante de movimento. É como se você estivesse dançando, mas com tristeza. Ela tem uma vibe oitentista e ao mesmo tempo indie rock.” 

A próxima faixa, Concha, tem participação da cantora Lio (Tuyo) e aborda o conflito gerado ao tentar se isolar junto com alguém para escapar de um mundo barulhento, mas acabar vivendo uma vida anestesiante – e, na inflexibilidade, não conseguir encontrar o caminho do meio. “Sonoramente, eu me inspirei em dois discos da Bjork que ouvi muito, o ‘Vespertine’ e o ‘Vulnicura’. Essa é a única faixa que passeia por um universo mais eletrônico. O arranjo de vozes foi importante para ilustrar um aspecto particular e introspectivo que progressivamente vai se tornando mais barulhento. Convidei a Lio para participar e ela transmitiu uma vulnerabilidade tremenda na interpretação. Penso nela como uma das maiores cantoras que existem.” 

O disco segue com Diamante, que trata sobre a tentativa frustrada de ser valioso para alguém e conquistar reconhecimento, desenvolvendo a sua noção de identidade a partir do olhar do outro. “Existe algo de dramático e clássico na letra da música. Por isso, durante a produção, optamos por ‘exagerar’ numa sonoridade vintage, com piano e sons de mellotron, tons e timbres que remetem a algo antigo, e com uma pequena dose de esquisitice também.”

Na sequência, Caixas (lyric video aqui) transmite a necessidade de organizar as emoções. “Às vezes carregamos coisas ao longo dos anos e não as questionamos. De tempos em tempos é importante revisitar esses sentimentos e ver o que vale a pena guardar e o que vale a pena deixar ir embora. É sobre estabelecer os limites e seguir em frente.”

Mapa, canção escrita ao longo de três anos, de 2019 a 2022, a artista canta sobre não precisar procurar pistas e provas para validar uma conexão com alguém. “Entre as referências musicais está o disco ‘Carrie & Lowell’, de Sufjan Stevens; ‘Chemtrails Over The Country Club’, da Lana Del Rey; e ‘Magdalene’, da FKA Twigs.” 

Em Visita, penúltima música do álbum, Rebeca assina a produção musical ao lado de Felipe Vassão e Pedro Serapicos. “Essa música fala sobre a hesitação em se aproximar de alguém pelo medo de se mostrar vulnerável. Eu adoro o violão tortinho que o Vassão gravou, me lembra um pouco a versão da Cat Power de ‘Sea of Love’, que tem uma sonoridade desafinada que passa uma vulnerabilidade.” 

Flecha (lyric video aqui) conta com a participação de Nina Fernandes e fala sobre a disposição de se entregar a uma relação aceitando os riscos. “Eu comecei a escrever essa música depois de ver a performance Rest Energy da Marina Abramovic. O que me chamou mais atenção foi a confiança total entre os dois. Convidei a Nina Fernandes porque essa faixa transita num universo em comum entre nós duas. Temos referências parecidas, como Phoebe Bridgers, Boygenius, Adrianne Lenker e Caroline Polachek. Por conta dessa afinidade musical e da vontade de colaborar com uma cantora e compositora que entendesse o que eu queria passar, confiei na Nina de olhos fechados para gravar da forma que sentisse e deu super certo.”

Single do disco, Telepatia é a última canção e retrata uma nova jornada que se revela no tempo certo. “Escolhi essa como single porque ela representa o ápice do processo de construção do álbum. Foi a última a ser escrita e o último tema abordado, e reflete uma perspectiva de terreno mais seguro e fértil para caminhar na vida. Reconhece a instabilidade e imprevisibilidade dos eventos, mas confia na intuição desenvolvida ao longo do caminho. Essa visão renovada sobre a vida, centrada em relacionamentos, cria uma conexão entre todas as canções do álbum, oferecendo uma narrativa coesa e um novo começo. É como se o disco fosse o desenvolver de um inverno até chegar a primavera. Uma influência para a produção dessa música foi o primeiro disco do Bon Iver. Além disso, inserimos um ritmo de xote no beat.” 

FICHA TÉCNICA

Espiral, um disco de Rebeca, 2024

Foge de Casa 

Voz e Composição: Rebeca 

Violão: Leon Navarro 

Bateria: Rodrigo Martins 

Baixo: Rodrigo Martins 

Programações: Rodrigo Martins 

Gravado por Rebeca, Rodrigo Martins, Florian Mavridorakis e Leon Navarro

Cada Amor 

Voz e Composição: Rebeca 

Violão e Guitarra: Leon Navarro 

Violoncelo: Kely Cristina Pinheiro 

Programações: Rodrigo Martins e Rebeca 

Gravado por Rebeca, Rodrigo Martins, Leon Navarro, Kely Pinheiro

Cofre 

Voz e Composição: Rebeca 

Baixo: Pedro Chabudé 

Piano: Rodrigo Martins 

Guitarra: Gabe Krischer 

Programações: Rodrigo Martins 

Gravado por Rebeca, Rodrigo, Pedro Chabudé e Pedro Serapicos

Concha

Voz e Arranjo de Voz: Rebeca e Lio

Composição: Rebeca

Programação, Baixo e Piano: Rodrigo Martins 

Violoncelo: Kely Pinheiro 

Gravado por Rebeca, Rodrigo Martins, Lucas Romero  

Diamante 

Voz, Composição e Arranjo de Voz: Rebeca 

Piano: Rebeca 

Baixo: Pedro Chabudé 

Programações: Rodrigo Martins 

Gravado por Rebeca e Rodrigo Martins 

Caixas 

Voz, Composição e Arranjo de Voz: Rebeca 

Violão: Leon Navarro 

Baixo, bateria e programação: Rodrigo Martins 

Gravado por Rebeca e Rodrigo Martins 

Visita 

Voz, Composição e Arranjo de Voz: Rebeca 

Violão: Felipe Vassão 

Guitarra: Pedro Serapicos 

Programações: Pedro Serapicos 

Arranjo Vocal: Rebeca 

Gravado por Pedro Serapicos 

Mapa 

Voz, Composição e Arranjo de Voz: Rebeca 

Violão: João Barreira 

Piano: Rodrigo Martins 

Programações: Rodrigo Martins 

Gravado por Rebeca e Rodrigo Martins 

Assistente de Gravação: Matheus Ullmann 

Flecha 

Voz e Arranjo de Voz: Rebeca e Nina Fernandes 

Composição: Rebeca

Violão: Francesco Staccioli 

Arranjo de Cordas: Kely Pinheiro 

Gravado por Rebeca, Rodrigo Martins, Susanne Phan e Pedro Serapicos 

Telepatia 

Voz, Composição e Arranjo de Voz: Rebeca 

Violão: Francesco Staccioli 

Guitarra: Francesco Staccioli 

Programações: Rodrigo Martins 

Gravado por Rebeca, Rodrigo Martins e Susanne Phan

Produção Musical: Rebeca e Rodrigo Martins, exceto na faixa “Visita”, produzida por Rebeca, Pedro Serapicos e Felipe Vassão 

Mixagem: Rodrigo Martins, exceto faixa “Visita”, mixada por Pedro Serapicos 

Masterização: Fábio Roberto (Deck), exceto faixa “Visita”, masterizada por Pedro Serapicos Capa: Pedro Hansen (Deck) 

Foto: Luisa Cerino

Continue lendo:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Pedro Hilário
Pedro Hilário

Nerd, gamer, amante de HQs, filmes de terror, colecionador de CDs de bandas que ninguém conhece, barman e Streamer. Prazer, eu sou Hilário.

Artigos: 1093
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários