Festival faz homanagem a Dona Ivone Lara, debate intolerância religiosa e exibe filmes produzidos nas periferias

Programação apresenta “Marte Um” e outros 15 filmes assinados por assinados por cineastas e coletivos das periferias das cidades brasileiras

 Encontro discute “Diversidade e Intolerância Religiosa”, com Mãe Carmen de Oxum, Padre Júlio Lancellotti e Ventura Profana.

Uma homenagem inédita à cantora e compositora Dona Ivone Lara (1921-2018), com participação de Nega Duda, Larissa Luz e da Escola de Samba X9 Paulistana; um encontro para discutir a intolerância religiosa no país, com presença do Padre Júlio Lancellotti e de Mãe Carmen de Oxum; e uma mostra com filmes assinados por cineastas e coletivos das periferias brasileiras, incluindo “Marte Um” e outras obras da produtora mineira Filmes de Plástico – estas são algumas das atrações do festival.

Programado no Sesc Bom Retiro, CineSesc e na plataforma Sesc Digital, o evento acontece na semana que antecede a data mais importante para a pauta dos direitos humanos no mundo. Celebrado em 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos foi instituído em 1950 pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

O 2º DH Fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos, é uma realização da Pardieiro Cultural, Instituto Vladimir Herzog e Sesc. A curadoria é assinada pelas equipes do Instituto Vladimir Herzog, do Sesc São Paulo, e por Francisco Cesar Filho e Leandro Pardí.

Abertura: “Memória: Narrativas para Romper o Esquecimento”

A abertura do 2º DH Fest que acontece no Sesc Bom Retiro, dia 6 de dezembro, terça-feira, às 18h30, contará com um encontro inédito, reunindo o escritor indígena Daniel Munduruku e a ativista Neon Cunha, mulher, negra e transgênera. 

Em pauta, os processos de apagamento intelectual e simbólico de corpos e territórios considerados periféricos.  Intitulado “Memória: Narrativas para Romper o Esquecimento”, o diálogo tem mediação da jornalista Semayat Oliveira, cofundadora do site Nós, Mulheres da Periferia e consultora do podcast Mano a Mano. A entrada é franca, com lugares limitados conforme lotação do espaço. 

Encerramento: Homenagem a Dona Ivone Lara

Para o encerramento do festival, no dia 10 de dezembro, às 20h, no Sesc Bom Retiro, acontece uma homenagem a Dona Ivone Lara, “Primeira Dama do Samba”. Caso único na história da música brasileira, Yvonne Lara da Costa (seu nome de batismo) foi pioneira atuação interseccional entre luta antimanicomial, gênero, negritude e direitos humanos.

Em apresentação exclusiva e inédita, o centenário de nascimento de Dona Ivone Lara é celebrado com participação da Escola de Samba X9 Paulistana, que junto com sua banda baile, toca um repertório com mais de 13 canções da artista homenageada. A escola apresenta ainda o samba-enredo escolhido para Carnaval de 2023, cujo tema é justamente Dona Ivone Lara.

A Homenagem a Dona Ivone Lara tem participação de Nega Duda e Larissa Luz. A primeira, “sambadeira”, cantora, compositora e escritora, é considerada como referência da música popular e do samba de roda baiano na cidade de São Paulo, onde também está à frente, há mais de uma década, do coro de mulheres do Bloco Afro Ilú Obá de Min. Já Larissa Luz é uma cantora, compositora e atriz que já esteve no festival Rock in Rio e se identifica com os movimentos estéticos afrofuturismo e afropunk.

Com valores de R$ 40 (inteira); 20 (meia-entrada) e 12 (credencial plena), a compra dos ingressos estará disponível em 29/11 às 12h em sescsp.org.br, e 30/11, às 17h, presencial no balcão das unidades do Sesc São Paulo. Classificação etária de 18 anos.

Diálogo “Diversidade e Intolerância Religiosa”

A mesa “Diversidade e Intolerância Religiosa”, que acontece na quarta-feira, 7 de dezembro, às 18h30, no Sesc Bom Retiro, reúne Mãe Carmen de Oxum, líder do terreiro Ilê Olá Omí Asé Opô Araká; Padre Júlio Lancellotti, autor, pedagogo e presbítero católico; Ventura Profana, compositora, escritora e artista visual; e Lusmarina Campos Garcia (mediação), pastora evangélica, teóloga ecofeminista e pesquisadora.

O encontro propõe uma reflexão sobre a intolerância religiosa no Brasil, historicamente associada ao colonialismo e, por isso, apontada para corpos que fogem ao padrão branco-hetero-cis normativo. Nos últimos anos, a fé tem sido associada ainda a projetos de autoritarismo e ao desrespeito às diferenças. Este diálogo pretende retomar o espaço comum entre diferentes religiões: o amor, a solidariedade, a justiça e a esperança. A entrada é franca.

cinema: mostra “Cinema e Direitos Humanos: Os Caminhos do Cinema de Quebrada”

A programação de filmes do 2º DH Fest, intitulada “Cinema e Direitos Humanos: Os Caminhos do Cinema de Quebrada”, traz 16 títulos, entre curtas e longas-metragens realizados entre os anos de 2001 e 2022, com exibições no CineSesc e disponibilização online na plataforma Sesc Digital.

São obras assinadas por cineastas e coletivos periféricos das cidades brasileiras. O destaque é “Marte Um”, longa de Gabriel Martins indicado oficialmente pelo Brasil para disputar o Oscar de melhor filme internacional. O diretor integra a produtora Filmes de Plástico, sediada em Contagem, periferia da Região Metropolitana de Belo Horizonte que tem mais outros quatro filmes na programação: “Ela Volta na Quinta”, “Fantasmas” e “Quintal”, todos de André Novais Oliveira, além de “Contagem”, de Gabriel Martins e Maurílio Martins.

Estão programados ainda produções de nomes de destaque dessa cena cinematográfica, como Adirley Queirós, cineasta de Ceilândia, no Distrito Federal, e Lincoln Péricles, realizador do bairro de Capão Redondo, periferia da cidade de São Paulo. Estão presentes também curtas-metragens frutos de oficinas de realização audiovisual promovidas Associação Cultural Kinoforum, Instituto Querô e pelo projeto É Nóis na Fita. 

Um debate está agendado para o dia 9 de dezembro, sexta-feira, às 20h30, no CineSesc, para discutir essa produção, reconhecida pela crítica especializada como uma das novidades da cinematografia brasileira recente. Participam os realizadores Maurílio Martins, um dos produtores de “Marte Um”, e Stheffany Fernanda, do coletivo audiovisual Maloka Filmes e ativista negra, feminista e LGBTQIA+. A mediação é da jornalista e pesquisadora Mariana Queen Nwabasili.

(ao final, encontram-se mais informações sobre Dona Ivone Lara, os encontros e os filmes programados)

serviço:

2º DH Fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos

6 a 10 de dezembro de 2022

CineSesc – Rua Augusta 2075, Cerqueira César – São Paulo 

Sesc Bom Retiro – Alameda Nothmann 185, Campos Elíseos – São Paulo

Sesc Digital – https://sesc.digital/ 

Continue lendo no OtaGeek:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Luna | A Patroa da Redação
Luna | A Patroa da Redação

Já pensou em começar a valorizar o Jornalismo Cultural Independente hoje?

Artigos: 1336
Se inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Festival faz homanagem a Dona Ivone Lara, debate intolerância religiosa e exibe filmes produzidos n… […]

[…] Festival faz homanagem a Dona Ivone Lara, debate intolerância religiosa e exibe filmes produzidos n… […]