Crítica | Oxenfree II: Lost Signals e os sinais de rádio do passado

Oxenfree II: Lost Signals leva Riley de volta a sua cidade natal, onde as interferências nas ondas de rádio a levam a fazer um trabalho um tanto quanto perigoso. Acompanhe a jornada dela e Jacob ao descobrir o que esta por trás dos acontecimentos em Camena.

A Netflix já tem um tempo que esta investindo em jogos além de seu conteúdo por streaming e jogos que estão juntos do serviço, dessa vez eles acertaram em cheio. Oxenfree foi desenvolvido pela Night School Studio que também desenvolveu Afterparty e Next Stop-Nowhere.

Os estúdios de jogos indies tem explorado novas perspectivas, e isso nós trás experiências bem diferentes, e foi o que eu senti com os dois jogos da franquia.

Oxenfree II
A escolha dos diálogos vão alterar como as pessoas enxergam Riley

Cinco anos se passaram dos acontecimentos do primeiro jogo, e Riley retorna a Camena, sua cidade natal para investigar misteriosos sinais de rádio. Porém ela encontra muito mais do que poderia imaginar. E cabe a você e seu amigo de infância Jacob descobrir o que esta acontecendo na sua cidade natal e sobre as lendas dos fantasmas.

Entre frequências de rádio, conversar por walkie talkie, a companhia do nosso amigo de infância Jacob e várias visões sem explicação nenhuma, somos apresentados a momentos da vida da Riley que, não apenas carregam grandes cargas emocionais, como também trazem traumas do seu passado que desmoronam em seus braços durante o jogo. E como você tem opções de conversa, suas ações podem desencadear um fim trágico e melancólico.

Jacob arrumando o carro

Oxenfree Ii solidão
Riley parece estar com um vazio por dentro em boa parte do tempo, mesmo com pessoas a sua volta

A jogabilidade é simples, você tem o walk talkie pra entrar em contato rapidamente com as pessoas e o rádio, em que você pode procurar estações que falam muito sobre o que esta acontecendo, parecendo até estranho.

Oxenfree II tem vários finais, sabendo que suas decisões e como você conversa com as pessoas altera sua amizade com eles, o jogo possui mais de um final, valendo a pena jogar novamente

Não é porque o jogo é indie que não pode ter belos gráficos, e Oxenfree II trás ótimos cenários, uma cidade pacata e simples até a visão de cima da torre de uma igreja onde é possível ver o mar e seu horizonte. A movimentação dos personagens fluida e as caixinhas com as opções de diálogos estão no lugar certo. Dos personagens até os seres não humanos tem sua beleza e da pra perceber o carinho que o jogo recebeu durante o seu desenvolvimento.

Oxenfree II

A trilha sonora do jogo e os sons do jogo são ótimos, a trilha trás uma ambientação até nos momentos mais perigosos, deixando você mais nervoso do que deveria em algumas situações e bastante melancólico em outras. O silêncio também é bem utilizado no jogo, não se assuste se você acabar ligando o rádio pra ouvir as fofocas estudantis da cidade.

Oxenfree II: Lost Signal é divertido, trata alguns assuntos com leveza, mesmo no meio do caos em que nossa protagonista de encontra e mostra o poder que a amizade pode ter. Mesmo com tantos transtornos e acontecimentos paranormais, Riley pode ser uma pessoa gentil e ajudar os outros como ela pode se tornar uma pessoa horrível e simplesmente ignorar e tratar mal todo mundo, tendo um final solitário e mais triste do que se possa imaginar.

Oxenfree II Jacob
O jogo conta com uma belíssima arte

A interação com os moradores de Camena dentro do passado, presente ou futuro são bem aproveitados e existe muitos segredos dentro de uma cidade tão pequena, como os eventos são únicos, respostas erradas vão custar muito caro. É um ótimo jogo para aproveitar aquela noite chuvosa em que você vai entrar no mundo de Riley, e vai descobrir como é difícil sair dele.

Oxenfree II: Lost Signal está legendado em PT-BR e disponível para Playstation 4, Nintendo Switch, PC (Steam), Android, iOS e Mac.

Continue lendo:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Pedro Hilário
Pedro Hilário

Nerd, gamer, amante de HQs, filmes de terror, colecionador de CDs de bandas que ninguém conhece, barman e Streamer. Prazer, eu sou Hilário.

Artigos: 1256
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários