Documentário Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor estreia dia 14 de março nos cinemas

Filme de estreia de Alfredo Manevy apresenta o pai da sofrência que chegou a emplacar música em trilha sonora do Oscar em 1945. Produção foi reconhecida como Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora e recebeu Menção Honrosa na 17ª edição do Fest Aruanda 2022 e terá distribuição da O2 Play em parceira com o Canal Curta!

Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor, documentário em que Alfredo Manevy faz sua estreia na direção, já tem data para chegar ao público: 14 de março. Celebrando o legado poético do cantor e compositor, o filme explora a contribuição musical e o contexto histórico do renomado músico e autor de sucessos que encantam gerações. A distribuição é da O2 Play em parceria com o Canal Curta!.

Lupicinio Rodrigues cartaz
Cartaz do documentário Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor, de Alfredo Manevy | Créditos: Acervo família Rodrigues

A obra, premiada com Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora na 17ª edição do Fest Aruanda 2022, recebeu Menção Honrosa por sua força narrativa ao resgatar e ressaltar a importância de um dos maiores compositores da música popular brasileira e pela riqueza de sua pesquisa.

Produzido pela Plural Filmes em parceria com o Canal Curta, o documentário preserva o seu legado musical, destacando sua contribuição artística e o contexto histórico e social. As músicas de sucesso de Lupicínio Rodrigues foram interpretadas por alguns dos maiores nomes da Música Popular Brasileira.

Lupicinio Rodrigues documentário
Cena de arquivo do documentário Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor | Créditos: Museu Felizardo de Porto Alegre

Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor traz uma pesquisa ampla com materiais de arquivos do próprio Lupicínio, além de entrevistas e falas de artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, e Elza Soares. A produção também aborda um episódio importante da história de Lupicínio envolvendo a faixa Se Acaso Você Chegasse. A música fez parte da trilha sonora de um musical de Hollywood, Dançarina Loura, e, mais tarde, foi indicada ao Oscar de 1945. Mas, além de não ter sido consultado sobre o uso da canção, Lupicínio só foi receber direitos autorais anos após o sucesso. Até hoje seus créditos na indicação ao Oscar não foram reconhecidos.

“Eu quis que essa questão dos direitos e créditos ganhasse força no filme porque Lupicínio vendia sambas no câmbio negro. A questão não é só de crédito, mas de economia da cultura. Se a música é o que o Brasil faz de melhor, por que não somos capazes, enquanto país, de dar o devido retorno econômico aos mestres da nossa música? A riqueza resultante desse valioso patrimônio cultural deveria chegar aos autores”, comenta o diretor Alfredo Manevy.

Lupicínio Rodrigues e Nelson Cavaquinho
Lupicínio Rodrigues e Nelson Cavaquinho no filme Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor | Créditos: Instituto Moreira Salles

O documentário recebeu o prêmio do público de melhor documentário em Lisboa, no Festival Internacional da Língua Portuguesa, e participou de festivais nacionais como a 46ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2023), 26ª Mostra de Cinema de Tiradentes (2023), 18ª Mostra de Cinema de Ouro Preto (2023), Festival Mimo de Cinema 2023, Santos Film Fest 2023, IN-EDIT 2023, 46º Festival Guarnicê de Cinema (2023). A produção também foi selecionada para festivais internacionais como a 14ª edição do FESTin Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa (2023), 27th Inffinito Brazilian Film Festival (2023) e Philadelphia Latino Film Festival 2023.

“Lupicínio é o pai da música de sofrência, que se tornou com ele e depois dele um gênero imensamente popular. Não por acaso Lupi atravessa gerações de intérpretes. Não ocultamos as atitudes, letras e emoções dele com as mulheres de sua vida porque isso seria apagar algo da essência de sua musicalidade e da verdade de sua história. Esconder o machismo não nos ajudaria a compreender e refletir as contradições da época. Ali estão misturados a paixão, o romance, a traição e, claro, o machismo daquele período” ,completa Manevy.

De acordo com o diretor, o filme tem histórias saborosas contadas pelo próprio Lupicínio, ao mesmo tempo em que dá a dimensão da sua coragem musical, e da dificuldade de um homem do extremo sul do Brasil chegar ao centro da indústria cultural naquele tempo.

Sobre o diretor

Alfredo Manevy é formado em Cinema pela Universidade de São Paulo, foi presidente da Spcine, pelo qual elaborou políticas de inclusão e formação de público para cinema, e atuou como secretário executivo no Ministério da Cultura. Atualmente, é professor de Cinema na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Lupicínio Rodrigues: Confissões de um Sofredor é sua estreia na direção.

Ficha Técnica

Elenco: Lupicínio Rodrigues, Paulo César Pereio, Elza Soares, Ney Matogrosso, Gal Costa, Cazuza, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Marisa Monte, Jamelão, Jards Macalé, Áurea Martins, Zuza Homem de Mello, Lupicínio Rodrigues Filho, entre outros.
Narração: Paulo César Pereio
Direção: Alfredo Manevy
Roteiro: Alfredo Manevy, Marcia Paraiso e Armando Almeida
Produção: Marcia Paraiso, Sandra Narcizo, Helio Levcovitz e Ralf Tambke
Produção executiva: Helio Levcovitz e Ralf Tambke
Montagem: Isabel Castro
Montagem Adicional e Produção de Finalização: Nara Hailer
Produção: Plural Filmes e Canal Curta
Distribuição: O2 Play
Duração: 96 min

Continue lendo:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Pedro Hilário
Pedro Hilário

Nerd, gamer, amante de HQs, filmes de terror, colecionador de CDs de bandas que ninguém conhece, barman e Streamer. Prazer, eu sou Hilário.

Artigos: 1014
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários