Crítica | Matrix: Resurrections e a filosofia brilhante3 minutos

Muito querida tanto pelo pessoal de humanas quanto o de exatas, a franquia Matrix ganhou um novo filme, que continua a saga de Neo e Trinity.

Com Keanu Reeves no papel principal de Thomas A. Anderson, Matrix: Resurrections é uma viagem que ultrapassa o tempo e espaço, interligando universos e realidades. Cheio de referências, Resurrections também é um prato cheio para quem ama literatura, filosofia e tecnologia.

Uma das imagens promocioanis do filme, pela Warner Bros. Pictures.

Na toca do coelho

Cheio de referências, como citado anteriormente, Thomas A. Anderson, mais conhecido como Neo, tem seu início à la “Alice no País das Maravilhas”. A busca pela “toca do coelho” é rápida, misturando o real com o “imaginário”.

Neo enfrenta conflitos que se relacionam entre si, como se tudo fosse uma grande loucura. No papel de Alice, começa sua frenética busca pela “verdade”, como se buscasse a “toca do coelho” para descobrir o que é a “verdadeira realidade”.

E no meio da “loucura” do protagonista, o filme faz previsões interessantes. Além disso, os diálogos nessa parte se encaixam perfeitamente em várias realidades, mostrando qual será o caminho que o filme irá percorrer.

Alegoria da caverna contemporânea

Para a alegria de Platão, sua famosa Alegoria da Caverna tem um papel fundamental na franquia Matrix, e o mesmo acontece em Ressurections. A analogia da pílula vermelha e da pílula azul é o que guia Neo em sua corrida em busca da “toca do coelho”.

O antídoto que Alice buscava é Platão quem entrega a Neo. Essa analogia, que dá todo o charme à franquia, não fica de fora em sua continuação. Afinal, o que seria de Matrix sem o universo filosófico de Platão? Ficar na caverna ou escolher “o conhecimento” e se libertar do cárcere? Essa é a escolha que Neo precisa fazer.

Duas pílulas: a primeira vermelha e a outra azul
Pílulas de Matrix.

Como dito anteriormente, por mais elementos futuristas e tecnológicos que o filme tenha, os questionamentos filosóficos que Matrix: Resurrections carrega são impressionantes. Realmente nos prendem em busca da toca do coelho igual a Alice ou Neo.

Simulação na Matrix… literalmente

Os questionamentos filosóficos que o filme faz são capazes de prender o público, mesmo no meio de várias dimensões. O que seria “viver”? Será que não estamos presos em “uma simulação”? O questionamento do que seria real ou não é frequente, já que nem tudo é o que parece.

Atravessando universos e realidades, Neo consegue achar o que precisa e o que não precisa. Encontrar algo não significa necessariamente ter a resposta. Matrix: Ressurections consegue prender os espectadores durante toda a sua exibição, mesmo os que escolheram se aventurar nessa franquia recentemente.

Um dos pontos altos do filme é a atuação de Keanu Reeves, com um Neo mais maduro, e o mesmo para Carrie-Anne Moss como Trinity. Já Laurence Fishbone como Morpheus consegue fazer o filme ter partes cômicas, distraindo o público dentro de tantos questionamentos.

Curioso? Ansioso? Você pode conferir o trailer do filme abaixo!

Trailer oficial pela Warner Bros. Pictures.

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Thamiris Obana
Professora de Filosofia e Letras, pós-graduanda em Competências Socioemocionais. Girl from São Paulo, gosto de otome game, lasanha e livros.
Artigos: 65
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários