Crítica | Noite Passada em Soho é um suspense fora da curva e mais um acerto de Edgar Wright5 minutos

O suspense Noite Passada em Soho, novo filme de Edgar Wright (Baby Driver), chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (18). O diretor também produz o longa, além de dividir o roteiro com Krysty Wilson-Cairns (1917).

Enredo

Eloise (Thomasin McKenzie) é uma menina sonhadora que mora no interior da Inglaterra com sua avó. Mas após conseguir uma bolsa para estudar moda, ela se muda para Londres.

A protagonista, porém, vai descobrir que a cidade pode não ser tudo aquilo que ela espera. Eloise passa a ter sonhos com Sandie (Anya Taylor-Joy), uma jovem cantora da década de 60 que talvez esteja em risco.

pôster de Noite Passada em Soho mostrando os protagonistas
Last Night in Soho – Pôster.

Lindo e Perturbador

Trilha sonora é um dos pontos mais fortes do filme, e é o que leva a nossa protagonista, Eloise, para o passado. Temos a  música dos anos 60 permeando a história inteira, como se conversasse com a garota, além da grata surpresa ao presenciar a performance de Downtown na voz de Anya Taylor-Joy.

O longa é todo inspirado em giallo, um subgênero do terror italiano que trazia histórias de serial killers e detetives, com seu auge entre os anos 60 e 70. Um dos maiores exemplos desse tipo de filme é Suspiria (Dario Argento). Agora, Edgar Wright usa todo o charme e estranheza desse tipo de produção para nos manter grudados na poltrona.

As mudanças entre a década de 60 e o tempo atual são muito interessantes, feitas principalmente através dos sonhos de Eloise. No passado, os espelhos usados por Sandie mostram as transições entre as duas no mesmo espaço.

E as personalidades das duas protagonistas são basicamente opostas. Eloise é uma jovem frágil e tímida, enquanto Sandie é decidida e vai atrás do que realmente quer, o que pode levá-la a situações perigosas.

Eloise (Thomasin McKenzie) e Sandie (Anya Taylor-Joy) em Noite Passada em Soho
Eloise (Thomasin McKenzie) e Sandie (Anya Taylor-Joy).

Matt Smith (Doctor Who) como Jack está para lá de assustador nesse filme e suas intenções com relação a Sandie não demoram muito a aparecer. Já a Ms. Collins de Diana Rigg (GoT) nos lembra que fará muita falta e por que nos apaixonamos por Olenna Tyrell.

Enquanto isso, Synnove Karlsen (Medici) convence muito como a garota malvada da faculdade e Michael Ajao (Ataque ao Prédio) dá vida ao sensível John, que se mostra um ótimo companheiro, super preocupado com a saúde mental de Eloise conforme a trama avança.

O maior problema de Noite Passada em Soho é o que chamamos comumentemente de male gaze, já que se trata de um filme protagonizado por duas mulheres, porém contado através de uma visão masculina, mesmo o roteiro do filme sendo co-escrito por uma mulher.

Muitas questões delicadas dentro da história, principalmente em relação a abuso físico e psicológico, inclusive o plot twist, talvez seriam retratadas de forma muito mais sensível pelas mãos de uma mulher, e com uma mensagem muito mais clara.

O filme é ainda uma homenagem aos anos 60, suas músicas e seus shows burlescos, porém, assim como o musical Cabaret, por exemplo, que se passa na década de 30, a obra também tem um fundo extremamente obscuro por trás de todo o brilho do palco.


Leia também:


E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Aline Merkle
Artigos: 147
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários