Mãe só tem duas: a novela mexicana representativa da Netflix3 minutos

Você já assistiu alguma novela brasileira e pensou “isso ia ser tão melhor se fosse LGBTQIA+”? Pois “Mãe só tem duas” é a típica novela televisiva mexicana. Com direito a dramalhão, comédia e infidelidade, a série traz tudo que o brasileiro gosta e ainda não economiza na representatividade.

Imagem de capa da série da Netflix Mãe só tem duas
“Mãe só tem duas”.

“Mãe só tem duas” acompanha a história de duas mães que tiveram seus bebês trocados na maternidade. Por descuido de uma enfermeira, elas levam para suas casas o bebê uma da outra.

No entanto, Ana e Mariana são mães muito diferentes e logo de início já desenvolvem uma certa inimizade. Porém, para que suas bebês não sofram durante o processo de troca, elas decidem transformar as duas famílias em uma. Durante a troca dos bebês, Mariana se muda para a casa de Ana e, durante os próximos oito episódios, acompanhamos todo o desenrolar dessa nova fase.

As protagonistas não poderiam ser mais diferentes e a dualidade vilã e mocinha é reforçada constantemente. Enquanto Ana é uma mulher mais velha, mãe de dois filhos, empresária, rica e muito controladora, Mariana é o exato oposto: mãe de primeira viagem, pobre, sonhadora, nova, bissexual e um pouco mais tímida.

Cena da série Mãe só tem duas com as personagens Ana e Mariana
“Mãe só tem duas”.

A série acompanha todo o drama da vida das duas mulheres, o trabalho, a maternidade, romances e, no decorrer da história, Ana e Mariana vão se aproximando e criando uma amizade nova e mais leve. A partir daí, o telespectador começa a perceber que, ao contrário do primeiro episódio, não existem vilões e nem mocinhos em “Mãe só tem duas”.

Tanto Ana quanto Mariana são personagens muito bem trabalhados e, apesar das características de novela mexicana, que deixam a série mais exagerada e cheia de drama, ainda é possível se identificar com cada uma dessas personagens e entender suas motivações.

Outro ponto extremamente positivo na série, e talvez o que mais a diferencie das outras da categoria, é a naturalidade com que é tratada a sexualidade de Mariana. Em momento algum da série, que é repleta de dramas, a bissexualidade da garota é um problema.

Cena da série Mãe só tem duas
“Mãe só tem duas”.

“Mãe só tem duas” é uma série que te envolve durante a narrativa e vai construindo, de forma muito orgânica, o desfecho final do último episódio. O gênero novela é muito bem aproveitado e, ao contrário das novelas em TV aberta, a representatividade LGBTQIA+ é leve e natural.

E para aqueles que adoraram a primeira temporada, a segunda já está a todo vapor na Netflix e, no começo do ano que vem, estará disponível na plataforma!

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Sarah Aguiar
Jornalista em formação, 20 anos, tentando descobrir meu lugar no mundo - e no jornalismo- Apaixonada por cultura pop e artista nas horas vagas!
Artigos: 39
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários