Crítica | “Missa da Meia-Noite” e o horror do fanatismo8 minutos

Nessa sexta-feira, a Netflix liberou sua mais nova série de terror. “Missa da Meia-Noite” é a mais nova colaboração entre o streaming e Mike Flanagan, criador de “A Maldição da Residência Hill” e “A Maldição da Mansão Bly”.

Flanagan já queria trabalhar nesse projeto há bastante tempo, tanto que inseriu livros chamados “Midnight Mass” em seus outros trabalhos, “Hush” (também com sua esposa, a atriz Kate Siegel) e “O Jogo de Gerald”, adaptação do livro de Stephen King, também em parceria com a Netflix. De acordo com o diretor, a série trata de temas bastante pessoais e foi bom que tenha sido aprovada quando ele está preparado para tratar desses temas de forma responsável.

Os trailers da Netflix conseguiram mostrar bem a atmosfera da trama, ao mesmo tempo em que não revelaram nada sobre o enredo, que surpreende ao ir numa direção bem diferente do que parece. Vale a pena assistir a série sem spoilers, então essa crítica tem a parte com spoilers destacada.

Hamish Linklater como Padre Paul em "Missa da Meia-Noite", estreia da Netflix. -Otageek

Sobre a Série

“Missa da Meia-Noite” se passa na Ilha Crockett, uma pequena comunidade quase isolada onde três fatos aparentemente desconexos começam a convergir: Riley Flynn (Zach Gilford) volta a morar com os pais após passar quatro anos preso, um novo e carismático padre (Hamish Linklater) chega à cidade para substituir o idoso Monsenhor Pruitt, responsável pela igreja da comunidade; e a chegada dos dois coincide com aparições estranhas vistas à noite pelos moradores e milagres aparentemente sem explicação.

O que se segue é uma exploração sobre fé, religião, morte e imortalidade. “Há muito horror na Bíblia,” diz Mike Flanagan, e ele explora esse horror durante os sete episódios de “Missa da Meia-Noite”, subvertendo expectativas ao se basear no conteúdo da própria Bíblia para criar momentos de extrema violência, pontuados por longos questionamentos sobre possíveis interpretações dos evangelhos.

Cada morador da ilha que conhecemos tem sua própria história: os próprios pais de Riley enfrentam dificuldades financeiras, enquanto lidam com a volta do filho; Erin Greene lida com uma gravidez solo; a médica Sarah cuida de sua mãe, que já não a reconhece mais; a beata Bev parece controlar mais a cidade do que o prefeito e sua esposa, que cuidam da filha Leeza, paraplégica após um acidente; e o novo xerife, Hassan, carrega o peso de ter a única família muçulmana em uma comunidade extremamente católica.

Apesar de não fazer parte da antologia “The Haunting”, é impossível não comparar. Aqui, a claustrofobia da casa isolada é trocada pelo ambiente de uma ilha quase parada no tempo. Assim como nas outras séries, o foco é na exploração dos personagens e suas motivações, com  a trama de terror sendo apenas o plano de fundo para tratar de temas mais complexos.

Elenco

Vários atores de “Residência Hill” e “Mansão Bly” retornam em papéis diferentes, o que faz a série parecer ainda mais conectada com os outros trabalhos de Flanagan. Porém, o elenco consegue se distanciar dos personagens interpretados anteriormente e a atuação é magistral.

Kate Siegel já provou que trabalha bem com o marido e consegue segurar tanto os momentos de drama quanto os de mais horror e ação. Samantha Sloyan, no papel de Bev, inspira toda a revolta com as ações de sua personagem. Zach Gilford não está ruim como o torturado Riley, mas acaba sendo ofuscado por outros atores.

O destaque mesmo fica com Hamish Linklater, na primeira colaboração com o diretor. Sua interpretação do padre Paul rouba todas as cenas em que ele está e consegue ser magnética de forma que não deixe o espectador entediado por assistir um sermão da Bíblia no meio de uma série. Até seu trabalho de voz está impecável, conferindo suavidade ou força quando é necessário.

Devotos da Igreja de São Patrício fazem procissão em "Missa da Meia-Noite", estreia da Netflix. -Otageek

Efeitos e Trilha Sonora

Os efeitos visuais não são o forte da série. A maquiagem para envelhecer alguns atores é perceptível desde o começo, o que acaba um pouco com a surpresa. Os efeitos em alguns momentos não parecem os mais modernos, mas até convencem e não distraem da história.

Mike Flanagan sabe usar bem os jumpscares. Em “Missa da Meia-Noite” temos alguns, mas não são excessivos e são bem colocados. As revelações, tirando o mistério sobre o padre Paul, não chegam a contar como plot twists, mas são bem construídas, de forma que, mesmo que não se adivinhe antes, façam sentido ao ocorrer.

Desde o trailer, a trilha sonora é parte importante: temos a música “Somewhere Only We Know”, da banda Keane, considerada alegre e romântica, tomando um tom mais sinistro com a repetição do verso “You’re gonna let me in” (“Você vai me deixar entrar”, em tradução livre), algo que casa bem com a história.

Já na série, damos o tom com a abertura, onde ouvimos a também felizinha “And The Grass Won’t Pay No Mind”, de Neil Diamond, ao mesmo tempo em que vemos o resultado de um terrível acidente de carro. O cantor tem outras músicas na trilha sonora, por ter várias letras que falam sobre Deus.

Grande parte da trilha sonora também é composta por hinos religiosos, que não somente fazem parte do contexto das cenas de igreja, mas também foram pensados de acordo com os momentos em que se encaixam.

Reflexões (essa seção contém spoilers!)

Misturar vampiros com religião parece uma receita para o desastre, mas acaba funcionando muito bem. Como o trailer não revelou muita coisa, mesmo quem já tivesse pescado que o padre Paul na verdade era o Monsenhor Pruitt fica surpreso ao descobrir exatamente como ele ficou mais jovem.

É extremamente interessante como é feita a ligação do vampirismo com a Bíblia, justificada pelos próprios personagens, desde a aparência assustadora dos anjos ao aspecto vampírico da comunhão. Junto ao fato do vampiro ser trazido pelo padre, mais importante até do que o prefeito da cidade, e os supostos milagres que começam a ocorrer, chega a ser justificável que essa comunidade acredite que estão diante de um anjo, ao mesmo tempo em que o público reconhece a criatura e sabe que não vai ter um bom resultado.

A série não critica a religião em si, mas sim a fé cega e o fanatismo. Vemos isso principalmente na personagem Bev, que além de se achar superior por ter um papel influente na igreja, trata com desdém o xerife Hassan e o personagem Joe Collie, alcoólatra. Aliás, a discussão sobre o vício também faz parte da trama e da própria história de Mike Flanagan, que está sóbrio há três anos, após problemas com o álcool.

Um tema que também é forte é a culpa. Vários personagens têm “pecados a expiar”. Enquanto Riley tenta encontrar seu lugar no mundo e acaba, por fim, sacrificando-se para um bem maior, o padre acaba se tornando tão obcecado em consertar o passado que acaba levando à destruição o que lutou para salvar. Porém, a cena final, na qual os habitantes da ilha se reúnem para esperar o sol, dá uma ideia de paz e redenção para quem se arrepende.

Paul oferece a comunhão aos fiéis da igreja em "Missa da Meia-Noite", estreia da Netflix. -Otageek

Conclusão

Apesar de ser uma série que pode cansar alguns espectadores por seus longos monólogos e questionamentos, “Missa da Meia-Noite” é uma produção excelente. Vale a pena conferir não somente para quem é fã de horror, mas também para questionar a forma como lidamos com certos ensinamentos e as consequências de seguir sem questionar.

Confira também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Luana Roque
Tradutora apaixonada pela cultura pop em geral. Leitora assídua, amante de terror, viciada em séries e filmes e ruim no vídeo game.
Artigos: 57
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários