Crítica | A diversidade da cultura humana em Humankind7 minutos

Apesar de sua similaridade com Civilization, o foco na cultura e possibilidade de outras estratégias traz inovação.

O novo jogo de estratégia no estilo 4x, Humankind, foca em explorar a cultura da humanidade e trazer uma diversão diferente para fãs de jogos desse estilo de estratégia mais complexa.

Uma cidade e navios em volta no jogo Humankind
Fonte: Steam.

O jogo consiste em criar seu povo, cuidar e gerir suas cidades, que vão evoluindo e ficando mais complexas, cumprir missões diferentes, ganhar estrelas de eras e tentar ganhar mais fama que os outros reinos antes que a partida acabe. O jogo tem 7 maneiras diferentes de chegar ao final.

Humanidade complexa até no jogo

A princípio, Humankind se inicia de maneira bem simples: você comanda uma tribo nômade genérica, que está buscando comida e um local para começar a criar suas raízes.

Mas conforme vai cumprindo esse objetivo inicial, seu povo vai aumentando de tamanho, ganhando pontos de fama e, eventualmente, evoluindo para sua primeira cultura, que é de sua escolha. É ai que a coisa começa a ficar complexa.

Tela de escolha da cultura que deseja seguir em Humankind
O jogo traz diversas culturas diferentes ao longo de cada era, uma mais interessante que a outra…

O jogo é extremamente rico quando se trata de cada cultura. As artes são lindas e cada uma delas é bem detalhada nos designs únicos de cada cidade/unidade. As diferentes culturas possuem suas características únicas e um foco de estratégia diferente para você seguir e ganhar o jogo.

O game não valoriza apenas dominação e conquista: em Humankind, você pode ganhar através de evolução científica, expansão de território, comércio e diversos outros métodos, já que cada cultura ganha pontos diferentes baseados na sua característica.

Como um exemplo, a primeira cultura que escolhi foi a dos Harappans, e o foco dessa cultura é o crescimento de plantações. Por isso, eu ganhava pontos mais rapidamente se produzindo mais comida e focando em expandir as áreas das plantações. Isso até o momento em que eu alcançava pontos suficientes para evoluir para uma nova cultura, que me traria novas características, um novo foco nos pontos e novas habilidades.

Dividido através de eras, o jogo explora o máximo possível das culturas da história humana, assim como permite desenvolvimentos tecnológicos que façam sentido para cada era e para cada escolha sua.

Muitas escolhas, muitas possibilidades, muitos tutoriais

Logo após escolher sua primeira cultura, os ícones na interface do jogo e o número de tarefas só começam a aumentar. Isso com certeza é assustador à primeira vista e para quem não está acostumado com este tipo de jogo de estratégia, mas Humankind deixa diversos tutoriais ao longo da sua gameplay para que tudo seja explicado. Portanto, espere entender a maior parte do jogo depois de uma partida (que não vai ser curta, mas tudo bem).

Conforme você desbrava o mapa, aumenta suas cidades, ganha pontos e evolui sua cultura, mais escolhas vão aparecendo, e elas vão afetar sua gameplay. As escolhas serão tanto sobre como o seu povo aborda certas questões religiosas e políticas, quanto sobre o que ele faz quando algum problema ocorre.

Leia também:

Espere decidir a religião do seu povo, os valores da religião, o papel de homens e mulheres dentro da cultura, leis, hábitos e até a ordem das evoluções tecnológicas.

A cada decisão, eu ficava curioso para saber como aquilo me afetaria durante a gameplay, o que viria depois e como meu povo seria conforme eu decidia. E apesar de algumas coisas interessantes, nem todas alcançavam o potencial de fazer uma diferença. O game cria algo muito único em cada partida, sendo até bem interessante de se jogar com amigos ou até mesmo online, já que tudo muda a cada era.

Amigos agora, inimigos na próxima era

Em um certo momento do jogo, você irá encontrar a primeira civilização adversária. Nesse momento, é liberado o painel de relação com esse povo encontrado e aparecerá tanto opções de negociação quanto de começar sua primeira guerra.

O jogo não te obriga a entrar em guerra com nenhum outro povo, muito menos realizar uma aliança, mas conforme você e os outros jogadores se desenvolvem e mudam de estratégia em cada cultura, existe muito o que se pensar e refletir. Além disso, o mapa do jogo tem um espaço limitado, então espere ver esses espaços se fechando para perceber o quanto você consegue fazer sem alianças ou até mesmo sem destruir seus inimigos.

Lideres de dois povos na interface de relações do jogo Humankind
Relações mudam a todo momento no jogo e nem sempre há como resolver problemas.

O modo de batalha de Humankind é provavelmente a parte menos interessante do jogo: as lutas acontecem em turnos conforme o posicionamento das tropas, mas as animações são fracas e as batalhas, às vezes, até um pouco confusas. No final, acaba sendo mais prática e rápida a seleção de batalha automática.

Conforme mencionado, existe 7 maneiras de encerrar uma partida em Humankind:

  • Eliminar os outros povos.
  • Tornar o planeta inóspito.
  • Completar a árvore tecnológica.
  • Completar todos os turnos (varia conforme a seleção do tipo de jogo).
  • Comandar os outros povos.
  • Enviar uma missão para Marte.
  • Completar todas as estrelas das eras.

Ajustes podem ser feitos antes da partida para determinar a velocidade do jogo e até retirar algumas dessas opções de finalização. Por isso, existe muito o que se pensar e preparar em Humankind.

Conclusão

Com diversas opções de gameplay, personalização e opções de cultura para explorar, Humankind é um prato cheio para fãs de estratégia. O jogo só peca em pequenas coisas, como o sistema de batalha nada inovador e pouco prático, além de alguns elementos, que acabam não impactando tanto quanto poderiam.

No entanto, Humankind promete te trazer horas de diversão e estratégias diferentes em cada partida, sendo ainda mais interessante ao jogar com amigos.

Assista o trailer de gameplay abaixo:


E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Pedro Agnelo Camargo Goes
Estudante de semiótica, apaixonado por séries, filmes e games e tudo que envolve cultura. Sempre aberto pra filosofar sobre aleatoriedades do dia a dia
Artigos: 30
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários