Crítica | Quadrinho “Contos de Berds” na Poc Con 20213 minutos

Disponível na Gibiteca Digital da Poc Con 2021, o quadrinho é um excelente tributo a todos os ursos nerds fãs de D&D.

Aventura de RPG com gostinho de militância, contos de Berds é uma daquelas histórias curtas, mas absolutamente divertidas, que deixam a gente com vontade de ler mais. Criada por Marco Bym Veloso, sua narrativa é precisa ao brincar com D&D e o jeitinho brasileiro, com importantes críticas.

A imagem mostra a capa de Contos de Berds. Otageek
Capa de Contos de Berds.

No quadrinho, acompanhamos um pai (Lucas) contando uma história de ninar para a sua filha (Alice), que pede para ouvir “aquela dos três ursos”. Ele prontamente se dispõe a contar “Cachinhos Dourados”, ao passo que a filha o interrompe e pede uma outra história de três ursos.

Somos levados então a conhecer “Contos de Berds – O Orbe de Antaüjugo” e como a Guilda de Berds engata uma luta contra um poderoso feiticeiro, que ameaça destruir o reinado de uma bondosa rainha. Não, o plot não é estranho, afinal, lembra muito uma aventura de Dungeons & Dragons, por exemplo.

Sou suspeito para falar sobre a história porque sou fã de carteirinha de RPG de mesa e, lendo esse quadrinho, foi impossível não estabelecer paralelos e me animar, enxergando uma legítima aventura tomando forma.

Os Contos de Berds também carregam um par de referências à cultura LGBTQIA+, memes e gírias da internet, o que traz um colorido diferente para a narrativa e aproxima os personagens de nós.

Num geral, os traços são bem trabalhados e as variações entre estilos de personagens, texturas e afins casam perfeitamente com a estética da narrativa. Mais do que uma história divertida (e importante), essa é uma HQ linda de se ver!

Na imagem vemos Lucas e Alice, pai e filha que fazem parte da história. Otageek
Primeiro esboço de Lucas e Alice.

Por Trás da História

A ideia por trás da HQ surgiu lá em 2013, quando o pastor Marcos Feliciano foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos. Naquele momento, a comunidade LGBTQIA+ se viu em alerta, uma vez que ter uma pessoa alegadamente racista e homofóbica num cargo tão importante poderia significar a perda de direitos que estavam sendo arduamente conquistados.

Inspirado pelo volume “Contos de Fadas da Kitty”, uma história dos X-Men, ele percebeu que seria muito interessante falar sobre a temática de Marcos Feliciano no mesmo formato: com aventuras fantásticas no estilo de RPG. Já sabemos quem é a inspiração para o vilão Antaüjugo.

Ao final, Marco Bym Veloso compartilha um pouco mais de suas inspirações para criar essa história, os personagens e afins, e isso traz um novo colorido à HQ. Sem dúvida, esse é um dos pontos altos dessa excelente aventura.

Se você deseja conferir essas e outras histórias, acesse a Gibiteca da Poc Con 2021 clicando aqui!

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Rafael Urpia
Jornalista baiano em formação, descubro o mundo e navego do geek ao místico (passando por um bom kpop) por puro prazer!
Artigos: 27
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários