Crítica | A sensação angustiante e tensa do filme “Tempo”5 minutos

Tempo, uma palavra que ouvimos desde muito jovens, tem a capacidade de percorrer pelas nossas mãos, nos sentidos da filosofia e da física. Mas também fornece apoio intrínseco para viver a vida. Tempo, além disso, é a estreia da Universal Pictures dessa semana.

Tempo. O que é o tempo mesmo? Um conceito, uma maneira de contar a vida, uma forma de nos fazer ver sentido nesse intervalo entre o primeiro e o último suspiro humano. Mas o que aconteceria se esse conceito, há muito forjado, simplesmente deixasse de ser como nós o conhecemos? Se ele passasse mais rápido?

Tempo é o título do novo filme da Universal Pictures, que estreia nos cinemas no dia 29/07. Tem por diretor e roteirista M. Night Shyamalan, foi produzido por M. Night Shyamalan, Ashwin Rajan, Marc Bienstock e escrito por Pierre-Oscar Lévy e Frederik Peeters. Arrepiante, envolvente, complexo e, claro, cheio de surpresas, o novo filme da Universal Pictures promete tirar o fôlego e levar o espectador a roer as unhas do começo ao fim. 

Viver e morrer na praia?

Tempo. Esse é o conceito com o qual o novo filme da Universal Pictures brinca. De um jeito arrojado e envolvente, o filme se baseia na concepção de tempo para nos trazer um jeito diferente de fazer ficção científica. Com um suspense de prender a atenção, os espectadores são atraídos para essa trama, que se passa em uma ilha diferente, onde a noção de tempo como a conhecemos é desafiada e vencida.

Três famílias e um cantor, por indicação do gerente do resort em que estão hospedados, vão a uma paradisíaca ilha para relaxar, mas logo percebem que lá o tempo passa mais rápido. As crianças se tornam adultas em questão de horas e os adultos definham… não conseguem sair. Qual o mistério que envolve a ilha? Como fazer para não morrer com o tempo tão acelerado?

Personagens olham ossos achados na praia no filme Tempo

O filme nos leva direto para o medo que, como humanos, sentimos: o medo da morte. Mostra que a vida tem fim, que o amadurecer não é só questão de tempo, mas também de experiências vividas, que as conversas, risos e momentos felizes são mais importantes que materialidades. 

Tempo (Old) pontua várias questões sociais, entre elas a ditadura da beleza, o bloqueio do orgulho, a maternidade indesejada e o tabu da infância. Pontos que são relevantes e pautas atuais. 

A narrativa de ficção científica não é abordada logo de cara. É algo construído aos poucos, que os personagens começam a descobrir conforme a história se desenrola. O motivo pelo qual ficam presos na praia paradisíaca e o porquê de eles terem sido escolhidos para ir à ilha, para começar, são pontos que os personagens percebem conforme o tempo passa. 

Há pontos que poderiam ter sido melhor explicados, principalmente após o plot twist ao final da narrativa. Mas, em geral, a história é cativante, magnética e sedutora.

Gostando do texto? Leia também:

A corrida contra o tempo em cada cena

O jogo de câmeras durante o filme deixa toda a história mais eletrizante. O diretor faz questão de não mostrar algumas coisas, deixar subentendido, permitindo assim que a imaginação do espectador se aflore e as emoções fiquem à flor da pele.

A fotografia clara do filme não impõe medo, ao contrário do que o trailer parece demonstrar, mas a escolha da trilha sonora foi muito bem feita, e é ela quem nos traz arrepios durante o longa-metragem.

Um casal de personagens olha para um ponto não visto na imagem no filme Tempo

A trilha sonora é bem típica de suspense mesmo, com notas que aceleram o coração e fazem perceber que algo está para acontecer. O filme é claro, passando-se durante o dia em sua maior parte, mas quando cai a noite, a iluminação é usada para causar medo. O jogo de luzes mostra apenas partes, deixando espaço para a imaginação de quem está assistindo. 

A sensação no estômago, que não nos deixa tirar os olhos da tela, é feita pelo jogo noite e dia e pela angústia que o passar das horas causa em cada um dos personagens. O suspense do dia se dá pelo medo de não conseguir sair, enquanto o terror da noite ocorre pelo medo do desconhecido, misturado com a aceitação da morte. A cada nova cena, o jogo de câmera muda, ajudando na angústia do espectador para ver o final da narrativa. 

Considerações Finais

O filme não é enorme. Em pouco mais de uma hora e meia, saímos do cinema com a cabeça cheia de questionamentos intrigantes sobre as incertezas da vida e como é importante valorizar as relações sociais que temos.

Nos momentos finais do longa, o diretor nos faz questionar o quão longe vamos para alcançar objetivos. De uma forma sutil, mas certeira, o conjunto final do jogo de câmera, a trilha sonora e a narrativa angustiante aumentam a tensão do começo ao fim.

Escrito por Lintheane Da Silva Martins

Confira o trailer do filme “Tempo”, da Universal Pictures.

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Thamiris Obana
Professora de Filosofia e Letras, pós-graduanda em Competências Socioemocionais. Girl from São Paulo, gosto de otome game, lasanha e livros.
Artigos: 93
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários