Crítica | “Rua do Medo: 1978”, uma sequência que vale a pena5 minutos

Se ainda não conferiu a crítica sobre “Rua do Medo: 1994”, primeira parte da trilogia, clique aqui!

“Rua do Medo: 1978” continua a trilogia iniciada em 02/07 pela Netflix. Voltando no tempo, o filme conta um novo capítulo da história de Shadyside e da maldição da bruxa Sarah Fier.

Se “1994” tem uma pegada “Pânico”, com o grupo de amigos sarcásticos e autoconscientes, “1978” pega emprestado o cenário clássico de um assassino à solta em um acampamento de verão, mas, assim como a primeira parte, não se escora nos clichês e consegue dar energia nova a uma história já conhecida do público.

Pôster de “Rua do Medo: 1978” , uma sequência que vale a pena, na Netflix. - Otageek

A história de 1994 serve como um parênteses para a de 1978. O filme começa diretamente de onde terminou o primeiro, com Deena e seu irmão Josh indo até a casa de C. Bernan, a única pessoa a ver a bruxa Fier e sobreviver, para tentar descobrir como acabar com a possessão de Sam, namorada de Deena. À princípio relutante, Bernan acaba se compadecendo e contando sua história aos dois.

Em 1978, acompanhamos a história de duas irmãs, Cindy e Ziggy Bernan, e as experiências das duas com a maldição da bruxa no Acampamento Nightwing. As duas irmãs são opostas: enquanto Cindy (Emily Rudd) é a irmã mais velha certinha, que segue todas as regras, é monitora do acampamento e tem um namorado bonzinho, Ziggy, interpretada por Sadie Sink (mais conhecida por “Stranger Things”), é considerada a “rebelde esquisitona”.

Mas as irmãs acabam ficando presas no acampamento quando um assassino começa a ir atrás dos campistas com um machado, e precisam colocar as diferenças de lado se quiserem escapar vivas.

Personagens de Rua do Medo: 1978

Em relação aos personagens, “1978” perde um pouco para “1994”. As irmãs carregam a trama, com boas atuações e personagens cativantes, e Alice (Ryan Simpkins), ex-melhor amiga de Cindy e também monitora do acampamento, começa como uma coadjuvante irritante, que depois ganha a audiência ao entendermos suas motivações.

Ted Sutherland também entrega uma boa performance como a versão jovem do delegado Nick Goode, que agora descobrimos saber um pouco mais sobre o que acontece na cidade do que parecia na primeira parte.

Cindy e Ziggy Bernan, personagens de "Rua do Medo: 1978” , uma sequência que vale a pena, na Netflix. - Otageek

Fora isso, os outros coadjuvantes não fazem um grande efeito na trama, e muitos existem simplesmente para servirem de vítimas do assassino. Talvez isso seja uma referência a slashers mais antigos, que tinham personagens secundários mais descartáveis.

Inclusive, temos uma referência ao conceito dos slashers de punir mulheres por sua sexualidade, pois, em uma das cenas, uma personagem é morta logo após fazer sexo, enquanto ainda está seminua.

Seja qual for o motivo, as mortes em “1978” têm menos impacto, já que não ligamos para os personagens, e acabam divertindo pelo gore, sem ter o mesmo apelo emocional que as de “1994”.

Shadyside x Sunnyvale

Nessa segunda parte, fica ainda mais evidente o conflito entre as duas cidades. Os campistas de Sunnyvale praticam bullying contra os de Shadyside, e em geral se consideram superiores. Ziggy é constantemente julgada por ser da cidade amaldiçoada, mas acaba abraçando essa identidade e usando isso como arma de defesa, enquanto a irmã faz de tudo para escapar e ser aceita pelo outro lado.

Acampamento Nightwing, cenário de um massacre em "Rua do Medo: 1978” , uma sequência que vale a pena, na Netflix. - Otageek

Vemos que a maldição de Shadyside vai além de assassinos e bruxas. Os moradores sofrem não somente com as mortes, mas também com os problemas sócio-econômicos inerentes à cidade, o que faz com que o espectador consiga entender o ponto de vista de quem faz de tudo para escapar desse ciclo e ter pena de quem não consegue.

Trilha Sonora

A trilha sonora continua sendo parte importante da ambientação da história, com clássicos da época. O destaque fica pra “The Man Who Sold The World”, tocada logo no começo na versão do Nirvana, lançada em 1993, e no clímax do filme, na versão original de David Bowie, de 1970.

Assim como as roupas e as interações dos personagens, a trilha sonora ajuda a fazer a passagem entre as duas eras, e as músicas são escolhidas com cuidado para se encaixarem nos momentos do filme, fazendo parte da história e não somente do pano de fundo.

Considerações Finais Sobre Rua do Medo: 1978

Mais sombrio do que a primeira parte, “Rua do Medo: 1978” continua o trabalho competente da trilogia, misturando o elemento sobrenatural aos slashers e problemas reais. Resolvemos alguns mistérios mas continuamos com outros, que com certeza serão respondidos pelo final da trilogia, que se passa em 1666 e promete finalmente contar toda a história da bruxa Sarah Fier e a maldição de Shadyside.

Nâo deixe de conferir a trilogia “Rua do Medo” na Netflix.

Confira também:


E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Luana Roque
Tradutora apaixonada pela cultura pop em geral. Leitora assídua, amante de terror, viciada em séries e filmes e ruim no vídeo game.
Artigos: 26
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Acompanhe o Otageek nas redes sociais

pt Português
X