Crítica | MUBI – Malena: um “romance” de Giuseppe Tornatore6 minutos

Malena é um filme italiano e norte-americano de 2000, estrelado por Monica Bellucci e Giuseppe Sulfaro. Foi dirigido e escrito por Giuseppe Tornatore a partir de uma história autobiográfica de Luciano Vincenzoni.

Essa critica contém spoilers, continue por sua conta e risco.

Dirigido por Giuseppe Tornatore

Estados Unidos, Itália, 2000

Drama, Romance, Comédia

Capa do filme Malena

O filme é ambientado em Castelcucco, uma pequena cidade da Sicília, durante a Segunda Guerra Mundial. Renato (Giuseppe Sulfaro) é um garoto de 12 anos que tem duas grandes surpresas no mesmo dia: ganhar a sua primeira bicicleta e conhecer a belíssima Malena (Monica Belucci).

Ainda no mesmo dia, a Itália entra na Guerra, mas isso não tem significado algum para Renato. No momento, o rapaz está muito mais interessado em curtir sua bicicleta, ser aceito na turma de garotos mais velhos e, principalmente, saber quem é a estonteante morena que causou reações até então desconhecidas a ele.

Apesar da história toda ser voltada para Malena, o protagonista é indiscutivelmente Renato e sua paixão platônica pela mesma. Um dos temas iniciais é a puberdade de Renato e seus amigos, dando foco principalmente a brincadeiras típicas de meninos.

Dessa forma, a beleza de Malena acaba a tornando o centro das fantasias dos garotos e sobretudo de Renato, com sua imaginação fértil e paixão por filmes trazendo um ar divertido para suas fantasias. Porém, a atração por ela vai além de garotos na puberdade e se estende a todos do sexo masculino que moram na pequena vila interiorana.

Toda essa atenção em Malena desperta dois sentimentos nos habitantes de Castelcucco: desejo e ódio. O desejo descarado e nada sutil dos homens e o ódio das mulheres pela atenção indesejada que recebe. Com isso, a paixão de Renato se torna mais protetora a ponto de cuspir em bebidas e mijar em bolsas como forma de retaliação a críticas feitas à sua amada.

Leia Também:

Crítica | Onde está meu coração – nova série original da Globoplay – Otageek

Resenha | O fim do mundo em ‘Family Tree: Nascimento’ pela Intrínseca – Otageek

Apesar de ser o centro das atenções por onde passa, Malena sempre se manteve seria e nunca encorajou as atenções claramente indesejadas, ao ponto de se tornar um mistério e um ótimo assunto para as fofocas: aonde a belíssima morena ia todas as tardes? (essa pergunta, vou deixar o próprio filme responder).

Em meio às fofocas e o olhar atento de Renato sobre a sua vida, Malena descobre que seu marido, que tinha ido lutar na guerra, morreu em combate. Ainda capaz de se sustentar devido a uma pensão, ela segue sua vida normal até que uma confusão envolvendo o dentista da cidade e um oficial solteiro vira sua vida de cabeça pra baixo e coloca sua honra em questionamento.

Enfrentando um julgamento para provar sua honra, a beldade fica sem alternativa e sem dinheiro. Sua perspectiva de sobrevivência muda, assim como seu visual, restando a ela apenas o seu corpo como moeda de troca.

O ambiente extremamente machista e hostil aborda de um modo leve a dura realidade da época e a humilhação sofrida por mulheres que estavam apenas tentando sobreviver. Assim como a história de Malena é mostrada, mais de 30 mil mulheres sofreram o mesmo ou pior, sendo a grande maioria (cerca de 20 mil) apenas na França.

Esse contraste entre a ficção e a realidade é bastante tênue e não explora o sofrimento da responsável pela trama, mostrando apenas a visão de Renato pelo lado de fora. Apesar do filme ser classificado como romance e drama, vemos claramente que o drama é a grande estrela e o romance acaba sendo esquecido por ser unilateral e não passar de uma paixão adolescente platônica.

Ainda que o filme tenha a transição de algo dito como bobo para um assunto mais profundo, não sentimos o impacto que o tema mais pesado do filme (a prostituição e consequências da guerra) poderia causar se fosse tratado com maior seriedade.

Malena possui seus momentos divertidos e leves, sendo capaz de arrancar gargalhadas e ainda nos fazer sentir empatia e tristeza pela figura central, ainda que não seja a protagonista.

A atuação de Monica Bellucci é silenciosa e muito trabalhada nos olhares e expressões corporais, tendo em vista que a atriz possui poucas falas. Já a atuação de Giuseppe Sulfaro, apesar de não ser tão refinada por ser a sua estreia nas telonas, não deixa a desejar e nos leva a momentos bastantes divertidos.

Trailer

Malena teve uma opinião bem dividida na crítica especializada, mas não podemos deixar de admirar a fotografia e trilha sonora do filme, tendo recebido duas indicações ao Oscar nas categorias citadas.

Uma curiosidade sobre a trilha sonora é que foi escolhida antes que qualquer cena fosse gravada, para que ela pudesse ser tocada enquanto os atores faziam seus papéis. E não podemos negar que a ousadia foi recompensada.

Malena é um filme para assistir com a família (lembre-se de checar a classificação indicativa), apreciar todas as nuances da trama e se encantar (ou não) pelos personagens. O longa está disponível no streaming cult Mubi.

Ficou curioso? Clique AQUI para assinar e ganhar 30 dias de conteúdo gratuito.

Leia Mais:

Mubi | Crítica – Chungking Express – Otageek

MUBI | 5 especiais para se apaixonar pelo cinema – Otageek

MUBI | Confira o que chega em maio no streaming de cinema – Otageek


E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Rafaella Moura
Artigos: 8
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Acompanhe o Otageek nas redes sociais

pt Português
X