Crítica | “Cartomante” e a audácia de ser irreverente (BIG Festival)3 minutos

É ele! O jogo brasileiro capaz de unir a tribo dos gamers com a tribo dos tarólogos.

Lançado em 1 de setembro de 2020 pelo estúdio braileiro Garoa Studios, “Cartomante” é um jogo no estilo visual novel, como “Steins;Gate” ou “Gwan Moon High School”, que conta com múltiplos finais enquanto brinca de adivinhar. A equipe participou do BIG Festival 2021 e foi finalista na categoria de Melhor Jogo Brasileiro.

Eu tive não apenas a chance de conhecer o jogo como entrevistar um dos desenvolvedores. Fica de olho que logo logo sai a entrevista com Victor Corrêa, produtor e designer de narrativa. Mas enquanto isso, vamos falar sobre o jogo?

O Garoa Studios também irá lançar o jogo “Stand by Me”.

O que você busca, meu filho?

Como uma visual novel, “Cartomante” traz um sistema de escolhas que te permite definir de forma muito sutil a personalidade da Miss Cartomante. De pouco em pouco, vamos recebendo clientes dos mais variados tipos, com as mais numerosas dificuldades.

O estilo artístico é lindo e fica evidente o cuidado com os detalhes, mas essa não é a maior pérola. Sem dúvida, o ponto que merece maior destaque são os diálogos e caminhos narrativos.

O gif mostra o momento no jogo em que a cartomante embaralha e escolhe a carta, dando a leitura para a cliente no jogo Cartomante. Otageek
A depender da carta, todo o caminho do jogo muda | Reprodução: Steam.

Eles são muito engraçados. Não, isso não é conversa fiada! Durante a gameplay, não faltaram momentos em que eu ri de verdade. O roteiro brinca com gírias, situações conhecidas dos brasileiros e referências ao nosso “folclore pop”.

Miss Cartomante é uma protagonista ácida, debochada e de esquerda. Ela até frequenta o Churrasco dos Ocultistas Socialistas! É nesses detalhes que o jogo se leva a sério da forma mais irreverente e única que se poderia esperar.

Sem dúvida, essa é uma experiência leve e muito divertida para se ter, repleta de críticas e piadas!

O gif mostra uma imagem do jogo onde podemos ver a carta A Torre, indicando a possibilidade de falar sobre Epifania, Revolução ou Fúria Divina no jogo Cartomante . Otageek
Ao retirar uma carta, você escolhe o ponto da leitura que deseja focar | Reprodução: Steam.

Embaralhe cartas, defina destinos

Eu sou tarólogo e posso afirmar: é visível que existe um bom nível de similaridade com os significados originais das cartas do tarô. Por mais que a Miss Cartomante tenha seu jeitinho especial de interpretá-las, nada disso desmerece a mecânica.

Inclusive, esse é mais um dos pontos que exaltam o jogo: sua narrativa. Você escolhe aleatoriamente a carta que irá usar para ler o destino do cliente e pode observar palavras-chave ligadas ao seu significado.

É claro que o ponto no qual você decidir focar fará toda a diferença na leitura, mas essa é a parte mais divertida! Esse ponto também funciona caso você deseje refazer o jogo para descobrir um novo final.

Sim, quem quer descobrir os 30 finais de Cartomante vai ter que ralar, mas já sai com um mini-curso em tarologia! Eu garanto: se você gosta de dar risadas e jogar visual novels, vale muito a pena se divertir com a intrigante e divertida narrativa do jogo.

Cartomante é uma produção bem executada, original e instigante. E se a curiosidade bateu por aí, corra para a Steam porque ele está disponível por apenas R$9,90. Depois, volte aqui e me conte o que achou!

Leia Também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Rafael Urpia
Jornalista baiano em formação, descubro o mundo e navego do geek ao místico (passando por um bom kpop) por puro prazer!
Artigos: 27
Se inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais velho
Mais novo Mais votado
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

[…] Crítica | “Cartomante” e a audácia de ser irreverente (BIG Festival) […]

[…] Crítica | “Cartomante” e a audácia de ser irreverente (BIG Festival) […]