Crítica | Família Nuclear – O Fantasma Familiar e a Liberdade de Jules4 minutos

Um curta belo sobre o fantasma familiar que todos nós carregamos e um jovem buscando sua liberdade e identidade, Família Nuclear é tocante e triste para aqueles que conseguem se ver em Jules, mas, ao mesmo tempo, mostra a luta que travamos contra nossos fantasmas.

Sinopse: Família Nuclear conta a história de Jules que, aos 18 anos, passa férias a contragosto no acampamento nudista de sua infância. Ele está dividido entre a sua atração pelo belo Karim, um trabalhador sazonal na praia das pessoas “vestidas”, e a depressão da sua mãe Adèle, que se recusa a deixá-lo crescer.

Elenco: Louka Minnella, Catherine Grosjean, Lohen Van Houtte e Syrus Shahidi.

Direção: Faustine Crespy

O filme está disponível até o dia 15/02 na plataforma Supo Mungam Plus em sua parceria com o My French Film Festival.

Filme Família Nuclear.
O Curta-Metragem está disponível até o dia 15/02.

Liberdade e Identidade

Família Nuclear não faz rodeios quanto a seus temas. Jules vê em Karim uma maneira de se libertar e criar uma identidade própria ao mesmo tempo em que é perseguido a todo momento pelo fantasma de sua família, em especial pela mãe que se recusa a deixar o filho crescer.

Karim no curta Família Nuclear.
Karim se torna uma representação da liberdade, do desejo e da busca pela sua identidade.

O curta é tocante e faz aflorar os sentimentos mistos no espectador que se ver espelhado em Jules. Por isso, é angustiante ao máximo quando praticamos um exercício de identificação com o jovem, pois Família Nuclear questiona também o quão sufocante e repressiva essa relação com a família é para Jules.

Em um mundo que crescemos com a mentalidade de que a família é mais importante que tudo, o curta mostra sutilmente até onde vamos nos podando e nos limitando para pôr esse dever familiar acima de tudo.

Jules, tão jovem, demonstra no fato de estar vestido numa área de nudismo que essa relação tão sufocante o aprisiona e o envergonha, ao mesmo tempo em que é notável sua dedicação para manter seu irmão e sua mãe juntos e protegidos.

A complexidade de tomar uma decisão no dilema de escolher entre sua liberdade e sua família é mostrada sutilmente nos olhares de Jules, em seus sorrisos e seus momentos vacilantes sendo responsável pela sua família e provando um pouco da liberdade.

Jules e Karim em Família Nuclear.
Jules e Karim na praia.

O Fantasma

Em seus momentos finais, Família Nuclear traz uma cena cheia de beleza e subjetividade, deixando esse simples colunista encucado quanto às escolhas feitas por Crespy. Ao mesmo tempo em que o diálogo final de Adèle se autoproclamando fantasma de Jules poderia ser trocado por um momento mais silencioso, deixando a interpretação para o espectador, vamos nos perguntando até onde esse próprio diálogo não é uma extensão de Adèle e seu jeito desinibido, que ultrapassa a narrativa e perturba a situação.

Ainda assim, é preciso dar o destaque que esse final merece. A trilha sonora de O Vento, por Dorival Caymmi, destaca-se e consegue se encaixar perfeitamente na leitura que nós, quanto espectadores, fazemos da cena final. Jules, perseguido pelo seu “fantasma”, corre pela praia enquanto vamos escutando Dorival falando sobre o vento e seus movimentos. O vento que dá movimento a outras coisas, o vento que desempenha um papel importantíssimo em iniciar ciclos e se relaciona tão bem com a liberdade.

Jules foge enquanto “chama” o vento, evocando liberdade e movimento para ser levado para longe do fantasma que representa a repressão e o aprisionamento numa relação que sufoca o próprio conceito de “Jules”.

O vento que dá na vela
Vela que leva o barco
Barco que leva a gente

Família Nuclear é sobre movimento e liberdade, mas também sobre os dilemas que precisamos vivenciar enquanto buscamos nossa própria identidade.

Leia também:

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Robertho Costa
Um cactinho paraibano. Jornalista Cultural, Escritor de contos e poemas (ou pelo menos tentando ser), apaixonado por cultura pop e definitivamente um grande fã da Feiticeira Escarlate.
Artigos: 94
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários