Crítica | ‘Favela É Moda’ quebra padrões com moda da resistência5 minutos

Documentário de Emílio Domingos aborda a nova tendência com o surgimento das agências de modelos da periferia

Premiado como Melhor Documentário (Júri Popular) e Menção Honrosa (Júri Oficial) no Festival Rio de 2019, Favela É Moda apresenta um novo olhar sobre a moda e sobre a estética da passarela por meio de modelos da periferia. O documentário traz diversas discussões atuais sobre comportamento, desigualdade e paradigmas sociais em uma estética vivaz na realidade da favela.

Modelo desfila em cena do filme Favela É Moda
Modelo desfila em “Favela É Moda”

O longa surge no momento certo na hora certa. Pegando carona no movimento Black Lives Matter, a narrativa representa a luta da moda dentro da favela como um ar de esperança e de mudança para uma realidade distinta da Zona Sul do Rio de Janeiro.

A Jacaré Moda, agência de modelos a qual o documentário faz referência, surgiu na região periférica do Rio com um discurso forte, bem embasado e argumentado pela “Moda da Resistência”. Tudo começou há 14 anos com Júlio César Lima e sua vontade de estudar moda e transcender, mudando a história por meio da luta de quebra de estigmas, oferecendo à moda o que ela já havia ditado tempos antes. 

Porém, a faculdade parecia um caminho caro a ser seguido. A solução de Júlio foi fazer de revistas de moda sua escada para a luta, comprada por diversas modelos em sua agência.

Conteúdo relacionado:

Modelos da periferia do Rio são agenciados pela Agência Jacaré
Jacaré Moda promove a “Moda da Resistência”

Esqueça qualquer estereótipo de passarela e moda que você conhece. Aqui você encontra cor, empoderamento, beleza, close e luta constante. A Jacaré Moda traz pessoas reais para a passarela, reacendendo a esperança para diversas pessoas como a gente.

Hoje a agência representa muito mais que um projeto solto, ela busca o reconhecimento de pessoas de diferentes padrões em revistas, editoriais e campanhas, atuando como uma consultoria, agência de casting, produtora de moda e comunicação.

Entre elas encontramos Raquel Félix, Rennan Santos, Ana Paula Patrocínio e Beatriz Fortunato, a última um case de sucesso internacional da Jacaré, além de muitos outros nomes. 

Querer não é poder

Não se dita a moda, se segue. A constante busca da Agência Jacaré em levar o novo para o mundo da moda se baseia na beleza do oposto social branco, loiro de olho claro. Como mostra o filme, ser modelo é um constante desafio, tanto pela cor da pele negra, quanto por ser morador da favela.

Aceitação, aparência, dinheiro e medo transitam entre as cenas em uma mescla de múltiplos sentimentos, onde vemos a falta de oportunidade para o potencial das minorias.

Romantizar para sobreviver

Favela é forte, construída de pessoas empenhadas e trabalhadoras, mas que tiveram que romantizar sua essência para conseguirem sobreviver a uma realidade sem oportunidades e com desdém da maioria.

Modelo tira foto pelo celular em Favela É Moda
Modelo tira foto pelo celular em “Favela É Moda”.

O mundo da moda ainda é regido pela elite e isso fica evidente por todo o documentário. Quem está onde está é por um longo histórico social. O morro foi contruído por negros após a abolição da escravidão e estar lá significa ter vencido todos os dias uma luta que derrama sangue ainda hoje.

Trabalhar a moda de resistência é uma tarefa árdua que Júlio, assessor das modelos da Agência Jacaré, revela no decorrer da narrativa. Acompanhamos a trajetória de meninas e meninos em meio à uma dupla jornada de trabalho e estudos, onde ajudar em casa se torna uma obrigação. Para eles, o sonho de se tornar modelo é a possibilidade de oferecer um futuro para a família.

Periferia é cultura, moda é política

Modelo é fotografado no filme Favela É Moda
Jovens enfrentam dificuldades econômicas e sociais em busca de sonho

O ideal de busca por aceitação pela Zona Sul do Rio de Janeiro é quebrado em vários momentos do longa. Os jovens, que antes buscavam inspiração nas zonas ricas e centrais do Rio, percebem que aquilo não os vestem mais e buscam uma reinterpretação própria de si.

A construção parte da favela para a favela em uma ideal novo, com modelos e estilos heterogêneos que não se misturam com a maioria e com o que se está acostumado.

Close em uma modelo negra no documentário Favela É Moda
Ideal de beleza é questionado no documentário “Favela É Moda”

O que é belo? O ângulo de uma câmera pode mudar tudo e o ângulo que o documentário oferece para a favela é de poder e talento de uma cultura negra forte e expressiva, sem a perda da identidade de saber quem você é, onde você vai e onde quer chegar.

Em resumo, o documentário traz o choque de realidade sobre o mundo da moda. Modelos negros não estão na Zona Sul, estão na periferia, onde encontraram lar e abrigo. A sociedade mudou e busca a periferia para dentro das passarelas, revistas, editoriais e campanhas. Representar um histórico e estar presente como marca integrante faz parte de um ideal não só de Jacaré e sim de todos nós.

Favela É Moda foi exibido online nesta semana pelo Feed Dog Brasil.

Matéria produzida por: Arthur Aguiar através do programa Crie com Otageek!

E se você gostou do nosso conteúdo, apoie-nos através das nossas redes sociais e acompanhe nosso podcast

Facebook RSS Youtube Spotify Twitch


Receba conteúdos exclusivos!

Garantimos que você não irá receber spam!

Compartilhe essa matéria!
Imagem padrão
Luna | A Patroa da Redação
Já pensou em começar a valorizar o Jornalismo Cultural Independente hoje?
Artigos: 883
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários